terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Metrô do Recife divulga imagens de assalto a vagão em busca dos suspeitos


Foram divulgadas na tarde desta segunda-feira (30) imagens de câmeras de segurança do Metrô do Recife que mostram o momento em que dois homens assaltam os passageiros de um dos vagões, na estação Werneck, na Zona Oeste da cidade.

Segundo a polícia, esses criminosos estão sendo investigados desde setembro do ano passado, e são responsáveis por pelo menos cinco assaltos dentro de vagões do Metrô, na Região Metropolitana do Recife. O caso exibido nas imagens aconteceu na última quinta-feira (26), e está sendo investigado pela Delegacia de Jaboatão Centro.

TV Jornal – 30/01/2017

Após testes, metrô de Recife estuda reduzir número de seguranças no Vagão Rosa


De acordo com o superintendente do metrô no Recife, a composição teste do Vagão Rosa conta com cinco seguranças, o que inviabilizaria a implantação nas demais composições.

A operação do Vagão Rosa chega nesta segunda-feira (30) ao seu 15º dia de testes no Metrô do Recife. O espaço foi criado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a exemplo do que acontece em outros estados, para coibir assédios e violência contra as mulheres. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro:

Para o superintendente do Metrorec, Leonardo Vilar, a experiência tem sido muito boa. "Tem sido um sucesso. As mulheres que andam no vagão têm colocado como muito positiva a experiência", diz. "Elas buscaram um trem em que existem menos pessoas. A demanda nos outros vagões é bem maior, é bem mais apertado", completa. 
Apesar do público feminino ser maioria, cerca de 56%, e só existir um vagão exclusivo para mulheres, que funciona em período de testes, dentre os trens em operação, os homens estão insatisfeitos. "Nos outros vagões, o público masculino reduziu têm reclamado por que o nível de conforto reduziu", afirma.
De acordo com o superintendente, o período de testes tem sido interessante por que cria um condicionamento da população. "A gente tem tido cada vez menos homens querendo entrar no vagão feminino, até por que existe uma reação do grupo feminino", diz. "Com essa experiência, a gente já verificou que é possível fechar a passagem entre os vagões e reduziu o número de seguranças no interior. Nós vamos controlar a entrada das mulheres no interior do vagão e isso começa a dispensar a segurança no vagão", afirma. 
Leonardo Vilar acrescenta que modificações no esquema de segurança estão sendo feitas para permitir a implantação. "São cinco seguranças por vagão. Se nós fôssemos implantar desse modo, a operação ficaria inviável no momento, por que a gente precisaria ter, mais ou menos, umas 300 pessoas", diz. 
VAGÃO ATIVO
A estimativa é que, até março, todas as composições estejam operando com uma unidade do Vagão Rosa. Atualmente, 40 três fazem parte da frota, mas apenas no total e 25 sendo utilizadas diariamente.

Rádio Jornal Pernambuco – 30/01/2017

Estação de trem no Rio é fechada por causa de furto de cabos


Rio - Mais um furto de cabos de energia prejudicou passageiros da SuperVia. A concessionária fechou a estação Maracanã para embarques e desembarques, às 18h desta segunda-feira, porque o crime comprometeu a iluminação, o sistema de áudio e a operação das catracas de acesso. A empresa não deu previsão de data para concluir os reparos e reabrir a estação, que faz parte do ramal Deodoro.
A concessionária esclareceu que sua equipe técnica “tomará as providências necessárias para que a estação volte a funcionar o mais rápido possível”. Os usuários devem utilizar a estação São Cristóvão durante os reparos.
Passageiros que tentaram pegar o trem à noite no Maracanã reclamaram que não foram informados com antecedência. Segundo eles, o funcionamento da estação já apresentava sinais de irregularidade no início do dia. A SuperVia enviou comunicado à imprensa sobre a medida somente às 17h50. A empresa não respondeu sobre o local e o horário do furto.
 “A gente pega todo dia aqui no mesmo lugar. Poderiam pelo menos ter avisado com um folheto de manhã. Quando nós saímos (de manhã), a estação já estava estranha. Não saímos pela bilheteria normal. Colocaram a gente para sair por um ladinho e tinha gente entrando só por um local. Mas não avisaram nada que mais tarde não ia ter trem”, reclamou o gerente comercial Fausto Vieira, de 37 anos. Ele enfrentou o transtorno voltando do trabalho para casa.
“Não avisam nada, a gente fica perdido e tem que andar agora quase um quilômetro para pegar a condução”, queixou-se um homem de 58 anos que não se identificou.
Reclamações sobre falta de informação na SuperVia são constantes. Após o descarrilamento de um trem no dia 26, na Praça da Bandeira, ousuários disseram que demoraram para saber o que estava acontecendo.
A Agetransp (agência reguladora dos transportes do estado) informou que acompanha a operação no sistema ferroviário e que vai solicitar esclarecimentos à concessionária. A SuperVia reiterou que repudia ações que danificam o patrimônio público e que registrará o caso em delegacia. Afirmou ainda que avisos foram veiculados nos sistemas de som das estações e trens, além dos canais de atendimento.

O Dia – 30/01/2017

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Passagens de ônibus e metrô voltam a ficar até 25% mais caras hoje, no DF.


Decisão do Tribunal de Justiça do DF derrubou decreto da Câmara Legislativa, que havia suspendido o aumento estipulado por Rollemberg.  
As passagens de ônibus e metrô ficaram mais caras neste sábado (28/1). O aumento de até 25% estava suspenso por um decreto da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), mas foi derrubado por uma decisão do Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT), na última terça-feira (24).

Apesar das reclamações generalizadas dos passageiros, não foram registrados protestos e o clima foi de aparente tranquilidade em todas as regiões do Distrito Federal.


Os novos valores foram atualizados de R$ 2,25 para R$ 2,50 nas linhas circulares e as que alimentam o BRT; de R$ 3 para R$ 3,50, nas linhas de curta distância; e de R$ 4 para R$ 5, nos ônibus que percorrem distâncias maiores e metrô.


O governo defende que o aumento é necessário para cobrir os gastos do GDF com o transporte público, que passou 10 anos com o preço congelado, no DF. O secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, alega que o governo acumulou dívidas nesse período e que o aumento do preço no diesel e aumento de salários dos funcionários das empresas agravaram o endividamento. De acordo com dados do órgão, 33% dos passageiros do DF utilizam o passe livre.


Cobrador de uma linha que faz o trajeto de São Sebastião para a Rodoviária do Plano Piloto, Madson Galvão diz que os passageiros reclamaram muito do aumento e considera injusto o reajuste. “Eu acho que a população não merecia isso. Eles andam num ônibus que está sempre lotado, não tem ar-condicionado, não tem conforto”, critica.


Gláucia Dias, 33 anos, autônoma e mãe de um bebê de dois meses, diz que um real a mais em cada passagem pesa muito para o bolso no fim do mês. “Eu trabalho por conta própria, não tenho vale-transporte, passe-livre, nada. Tenho que tirar o dinheiro do meu próprio bolso”, diz Gláucia, usuária do BRT, que liga o Gama e Santa Maria ao centro de Brasília.

Correio Braziliense – 29/01/2017

domingo, 29 de janeiro de 2017

A longa espera pelo trem nos fins de semana em São Paulo


Foto Alexandre Carvalho
Quem depende de transporte público para se locomover, sabe a cansaço que é ficar esperando por muito tempo ônibus ou trem para chegar ao local de lazer ou trabalho. E no final de semana a espera é ainda maior nas estações da CPTM. Isso porque a companhia diminui a circulação de trens e são frequentes obras ou intervenções nas linhas.
“Falta divulgação sobre os serviços de manutenção, porque demora e acaba prejudicando muita gente”, relata João Melo, 17, morador do Jardim Veloso em Osasco.
De acordo com a CPTM, as obras de modernização da infraestrutura, são realizadas no final de semana para prevenir ocorrências, devido a operação das linhas a céu aberto com rede de energia elétrica, que ficam sujeitas a interferências, como excesso de chuva, queda de árvore, descargas elétricas, entre outros.
Para a doméstica Maria Nívea Morais, 29, moradora de Carapicuíba, a oferta de trens devia ser maior no final de semana. “Em um domingo já fiquei cerca de 30 minutos esperando”.
Nos finais de semana, a CPTM informou que diminui o número de trens e o intervalo é maior devido a média de passageiros transportados. Enquanto nos dias úteis a média de usuários é de 2,8 milhões nas seis linhas que a companhia administra, aos sábados reduz para 1,4 milhão e aos domingos, 700 mil.
As viagens e intervalos costumam ser divulgadas com antecedência no site, redes sociais, cartazes nas estações e avisos sonoros nos trens, afirma a CPTM.
Homem morre eletrocutado ao “surfar” no trem em Carapicuíba
Na manhã de quarta-feira, 25, um homem que praticava o chamado “surf no trem” morreu eletrocutado na altura de Carapicuíba na Linha 8-Diamante da CPTM.
Prática comum nos anos 1990, o perigoso “surfe” parece estar voltando. É a segunda morte em decorrência da prática em menos de um mês na região. Dia 12, um adolescente morreu atropelado após cair quando tentava subir no teto do trem para “surfar”.
Visão Oeste – 27/01/2017

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Trem descarrila na altura da estação Praça da Bandeira, no Rio de Janeiro


Circulação de todos os ramais estaria afetada.

RIO - Um trem descarrilou na altura da estação Praça da Bandeira, no início da noite desta quinta-feira. Não há informações de feridos. Passageiros tiveram que descer na linha férrea. O trem que descarrilou é do ramal Santa Cruz. De acordo com a Supervia, por conta de um descarrilamento, as partidas da Central do Brasil chegaram a ficam suspensas por pelo menos trinta minutos. O Corpo de Bombeiros foram acionados, mas não há registros de vítimas. A composição estaria em baixa velocidade.

Em nota, a Supervia informou que às 17h30 o trem, que havia acabado de partir da Central do Brasil, teve sua viagem interrompida após um dos carros da composição descarrilar no pontilhão sobre a Avenida Francisco Bicalho. "Imediatamente, o Centro de Controle Operacional da concessionária fez contato com os passageiros por meio do sistema de áudio da composição orientando que todos permanecessem no interior do trem até que as equipes de atendimento chegassem ao local para auxiliar no desembarque na via. No entanto, alguns passageiros não seguiram as orientações e desembarcaram na linha férrea antes da chegada da equipe de segurança da concessionária", disse em nota.

A concessionária informou ainda que os passageiros que estavam no trem seguiram para a estação Praça da Bandeira. As estações estão lotadas. Por causa da ocorrência, por volta das 18h30m, os trens precisam aguardar ordem de circulação nas imediações da estação Central do Brasil e o intervalo de todos os ramais está irregular. A concessionária irá instaurar uma comissão técnica para apurar rigorosamente as causas do descarrilamento.

GUICHÊS FECHADOS

Os guichês da estação Central do Brasil para destinos como Japeri, Santa Cruz e Deodoro foram fechados para evitar tumultos. As saídas para esses três ramais estão irregulares. Os passageiros só estão recebendo informações pelo sistema de áudio da estação. Alguns passageiros estão desistindo da viagem, como a auxiliar financeira Paula Fernandes. Ela tentava pegar o trem para Comendador Soares, na Baixada Fluminense, mas devido ao tumulto, optou por aguardar na estação até que se tenha uma solução.

— Vou esperar mais um pouco e se não tiver outra opção, vou pegar o metrô até a Pavuna e de lá pego ônibus para Nova Iguaçu.

Outro passageiro, o analista judiciário, Junior Pereira, que mora em Paciência, na Zona Oeste, optou pelo ônibus e disse que está preocupado com o trânsito.

— Com a chuva, o trânsito na Avenida Brasil deve estar o caos, tudo parado. Para piorar, tenho que pegar o ônibus para Campo Grande e depois pegar um BRT para Paciência.

O Globo – Vera Araújo – 26/01/2017

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Legado da Copa: trens bilionários atrasam, sucateiam ou nem saíram do papel


Foto Gabriel Fialho
Todos deveriam estar funcionando antes de a bola rolar em junho de 2014.

Quando foram anunciados por prefeituras, governos estaduais e governo federal, os trens urbanos que seriam parte do chamado legado da Copa tinham cara de solução para parte dos problemas de mobilidade urbana. Ao todo, foram planejados VLTs ou monotrilhos em cinco das 12 cidades-sede do Mundial da Fifa. Todos deveriam estar funcionando antes de a bola rolar em junho de 2014 mas, passados dois anos e meio após o final da Copa, nenhum deles ficou pronto.

O único VLT moderno que opera atualmente em alguma capital no Brasil que recebeu a Copa é o do Rio de Janeiro, planejado para a Olimpíada de 2016 e que foi entregue a tempo dos jogos. Os projetos em Manaus, São Paulo, Fortaleza, Cuiabá e Brasília estão com as obras travadas, atrasadas, canceladas ou mesmo nunca saíram do papel. Vítimas de falta de planejamento e dinheiro, ações judiciais, erros de projeto, denúncias de desvio de verbas e problemas nas desapropriações e licitações, os trens prometidos para a Copa malogram e apenas um deve sair ainda este ano, o de Fortaleza.

Somados, os orçamentos dos cinco trens urbanos chegam a pelo menos R$ 6,5 bilhões. Confira abaixo:

O novo prazo do governo de São Paulo para entrega de parte da Linha 17-Ouro, inicialmente prevista para antes da Copa de 2014, é em 2019. A previsão, se for cumprida, é que menos da metade do projeto original fique pronto até lá. Em 2010, a expectativa do governo paulista era entregar, até o fim de 2013, uma linha com 17,7 quilômetros de extensão e 18 estações. Agora, estão prometidos 7,7 quilômetros e oito estações, a um custo de R$ 3,5 bilhões.

Em novembro de 2012, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) admitiu que o primeiro trecho da obra só deveria ficar pronto, se ficasse, no final de 2014. Não ficou. Um ano depois, em dezembro de 2015, o governo suspendeu a construção da maior parte da Linha 17-Ouro, empurrou o prazo do que restou para 2018 e, mais recentemente, para 2019. 

De acordo com a assessoria de imprensa do Metrô, "a escolha do estádio de Itaquera para a realização da Copa do Mundo de Futebol fez com que a Linha 17-Ouro fosse retirada da Matriz de Responsabilidade da Copa, em 2012, e o cronograma de implantação, alterado". Quando as obras começaram, no segundo semestre de 2011, problemas na obtenção de licenças ambientais e com as desapropriações, paralisação e abandono de obra pelos consórcios responsáveis e disputas judiciais impediram que os trabalhos fossem finalizados até hoje, afirma o comunicado do Metrô.

O resto do monotrilho inicialmente previsto segue "suspenso até que sejam equacionadas questões referentes às ampliações viárias com a Prefeitura de São Paulo, além das desapropriações necessárias para o prosseguimento destas obras."

Manaus cancela monotrilho e anuncia corredores de ônibus

O capítulo mais recente dessa novela aconteceu no dia 6 de janeiro: o ministro das Cidades, Bruno Araújo, assinou um decreto enterrando de vez o projeto do monotrilho de Manaus, que nunca saiu do papel e era previsto para estar rodando no final de 2013. O decreto cancelou qualquer possibilidade da ideia contar com linhas de crédito especiais do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o que na prática inviabiliza o projeto estimado em R$ 1,3 bilhão.

Já em 2012 o governo do Amazonas jogou a toalha e avisou que a obra não sairia a tempo da Copa, mas falou em entregá-la primeiro em 2015, e depois em 2020. Porém, no ano seguinte, em 2013, a Justiça cancelou a licitação depois que um estudo da CGU (Controladoria Geral da União) mostrou que a obra era inviável. Logo depois da Copa, ainda em 2014, governo do Estado e prefeitura assumiam que o trem podia não mais sair, e falavam em um sistema de VLT ou BRT para substituí-lo.

Sete anos depois do anúncio do monotrilho o novo Plano de Mobilidade, apresentado pelo governador Arthur Virgílio (PSDB) no ano passado, prevê a construção de corredores de ônibus como solução para o transporte coletivo na capital amazonense. O plano segue em análise sem previsão para início das obras. Procurado pela reportagem, o governo do Amazonas não respondeu.

Governo do Ceará diz que entrega VLT de Fortaleza neste ano

Um trabalho simples do ponto de vista da engenharia que virou uma tarefa difícil. É assim que define a Secretaria de Infraestrutura do governo do Ceará a implantação do VLT de Fortaleza, outra das obras de mobilidade urbana previstas para a Copa do Mundo que não ficou pronta até hoje. O projeto era de uma linha de VLT ligando o terminal Intermodal do Bairro de Parangaba à região portuária e hoteleira do Mucuripe, passando pela rodoviária e pelo aeroporto. A entrega era prevista para junho de 2013.

Nada saiu como o esperado. O governador do Estado rompeu em junho de 2014 o contrato com o Consórcio CPE-VLT Fortaleza, responsável pela execução da obra. A decisão foi anunciada após sucessivas notificações de atraso feitas pela Secretaria de Infraestrutura às empresas. Em maio do mesmo ano, a pasta estadual tinha admitido que a obra não ficaria pronta até a Copa do Mundo. Duas outras licitações foram abertas e fracassaram, uma por questões técnicas e a outras porque não apareceram empresas interessadas.

Atualmente, após a realização de três novas licitações e divisão do projeto em trechos, a obra foi retomada em meados de 2015, está cerca de 60% executada e deve ter os primeiros trechos entregues neste semestre. De um total previsto de R$ 284,6 milhões, o projeto consumiu R$ 120 milhões até este início de ano. De acordo com a secretaria de Infraestrutura o VLT, quando finalmente estiver funcionando, vai atender 90 mil passageiros por dia.

VLT de Cuiabá será retomado, mas sem prazo para sair

Em junho de 2011, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso aprovou a construção de uma linha de VLT, de custo então previsto de mais de R$ 1 bilhão, na capital Cuiabá. A obra foi incluída no plano de mobilidade urbana da cidade para a Copa do Mundo de 2014, contrariando a opinião unânime de técnicos em engenharia, que eram favoráveis à construção de um sistema de corredores de ônibus na cidade (por metade do preço da linha do VLT), que era o que estava incluído no plano original para a Copa na cidade.

Em meio a denúncias de corrupção e problemas de execução nas obras, o sistema de transporte não ficou pronto a tempo do Mundial de futebol. Até hoje, a capital de Mato Grosso é cortada por linhas inacabadas do VLT, cuja construção alcançou a marca de 33% de conclusão, está parada desde o final de 2014 e já consumiu cerca de R$ 1 bilhão dos cofres estaduais.

Agora, o governo de Pedro Taques (PSDB) informa que chegou a um acordo com o consórcio construtor e espera a homologação do termo na Justiça para reiniciar as obras. Quando isso acontecer os trabalhos devem levar pelo menos mais dois anos, informa a secretaria de Infraestrutura e Logística do MT. O governo não confirma o valor, mas quando a obra foi paralisada pela Justiça o consórcio responsável dizia que precisava de mais R$ 1,2 bilhão para terminar o serviço.

VLT em Brasília teve parte aproveitada em viaduto e segue indefinido

O VLT de Brasília foi o primeiro dos trens urbanos previstos para a Copa do Mundo de 2014 que teve a inauguração a tempo do mundial de futebol da Fifa cancelada, em setembro de 2012. O sistema deveria ligar o aeroporto ao terminal de ônibus da Asa Sul e custaria R$ 276 milhões.

O processo licitatório realizado pelo Governo do Distrito Federal foi concluído em 2010. No início do ano seguinte, já havia liminar na Justiça paralisando os trabalhos. Em abril de 2011, a Justiça determinou a anulação do contrato da obra e a realização de uma nova licitação. É que houve fraude no processo, que teria sido feito, de acordo com a Justiça, para beneficiar empresas ligadas a José Gaspar de Souza, então presidente do Metrô do DF.

Com as obras largadas pelo caminho, o governo do DF anunciou que redesenharia o projeto, retomaria as obras no ano passado (o que não aconteceu) e entregaria o VLT em 2018. Em dezembro de 2015, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e o então ministro das Cidades, Gilberto Kassab (hoje ministro da pasta de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), assinaram acordo para realizar estudos e projetos para ressuscitar o projeto, mas nada foi anunciado até agora.

Procurado pela reportagem para explicar a quantas anda este imbróglio, o governo do DF não respondeu. Enquanto isso estruturas elevadas, construídas inicialmente para o VLT, foram aproveitadas na construção de um viaduto na capital federal.

 Media News – 26/01/2017

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Justiça decreta prisão de acusados de matar ambulante em estação de metrô em SP


A Justiça de São Paulo decretou, em decisão publicada na última sexta-feira (20), a prisão preventiva dos dois acusados pela morte do vendedor ambulante Luiz Carlos Ruas, que ocorreu no dia 25 de dezembro do ano passado, na estação Pedro II do Metrô, na capital paulista. A informação é do Ministério Público do estado de São Paulo (MP).

Imagens filmadas por câmeras de segurança levaram à identificação de Ricardo Martins do Nascimento e Alípio Rogério Belo dos Santos como os autores. Os dois foram presos temporariamente em dezembro, poucos dias depois do crime. Agora, com a conversão da prisão temporária em preventiva, eles permanecerão presos.

"No pedido de prisão preventiva apresentado ao Poder Judiciário, o promotor de Justiça Neudival Mascarenhas Filho, do 1º Tribunal do Júri, afirma que os indiciados agrediram covardemente Ruas, que havia somente interferido para apaziguar uma situação envolvendo os dois homens", disse, em nota, o MP.

Ainda de acordo com o órgão, "declarações constantes nos autos dão conta de que os indiciados agrediram uma moradora de rua transexual com socos e chutes. Em seguida, outra pessoa transexual interveio para ajudar a amiga, sendo perseguida por Santos e Nascimento, que não conseguiram alcançá-la. Já Ruas, que vendia doces nas imediações, pediu que os indiciados se acalmassem, tornando-se o novo alvo da violência".

Após quebrar a barraca de vendas usada por Ruas, os dois passaram a perseguir o ambulante, segundo as investigações. Já no interior da estação, o homem foi agredido com chutes e socos, sendo inclusive pisoteado na cabeça. Santos e Nascimento deixaram o local, mas retornaram para continuar com as agressões contra a vítima, que já estava no chão.

"Para a promotoria, a decretação da prisão preventiva era necessária para garantir a ordem pública, abalada pela conduta periculosa dos indiciados. A medida serve ainda para assegurar a proteção às vítimas e testemunhas, que irão prestar depoimento e realizar reconhecimentos em juízo", diz o MP.

O MP afirma que Santos e Nascimento devem continuar presos também porque ambos fugiram do local do crime e deixaram suas residências, "mantendo-se escondidos em outros locais".

Terra – 24/01/201

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Passageiros passam mal com superlotação de trens na Linha 7-Rubi da CPTM


Na sexta-feira (20), deslizamento de terra interditou uma das duas vias da linha. Pessoas relataram desmaios e desistência de viagens.
Passageiros passaram mal com a superlotação nos trens da Linha 7-Rubi da CPTM, informou o SPTV desta terça-feira (24). Na sexta-feira (20), um deslizamento de terra interditou uma das duas vias da linha que liga as regiões da Luz e Jundiaí e os veículos circulam lotados.
O acidente ocorreu entre as estações Caieiras e Perus. Os sistemas de fibra ótica, telecomunicações, sinalização e a rede aérea, que alimenta os trens, foram atingidos.
Os trens circulam com intervalos de aproximadamente 20 minutos e chegam lotados às plataformas. No trecho diretamente afetado, de dois quilômetros de extensão, os trens circulam pelo trilho que não foi danificado a uma velocidade de 10 km/h (normalmente circulam a 80 km/h).
Na estação Caieiras, um homem foi flagrado saindo de um vagão com o auxílio de uma cadeira de rodas e com a cabeça baixa. Ele deixou a estação em uma ambulância.
Na estação Franco da Rocha, Camila desistiu de ir ao trabalho após desmaiar. “Meu esposo e outras pessoas me ajudaram a sentar, começaram a abanar. Quando cheguei em Caieiras, desci porque não tinha condições de trabalhar”, contou.
O mesmo ocorreu com a auxiliar de limpeza Michele de Barros Martins. “Estava mais cheio do que o normal. Ninguém conseguia entrar, nem sair”, disse. “Eu pedi espaço para o pessoal para sentar porque senão desmaiaria ali. Minha pressão caiu muito rápido”, completou.
Quem não sente mal-estar, acaba faltando ao trabalho ou se atrasando. A auxiliar de marketing Stefani Caroline dos Santos saiu de casa meia hora mais cedo, às 5 horas, mas as 7h30 ainda estava em Caieiras. “Ontem cheguei uma hora e meia atrasada e hoje vou chegar de novo”, afirmou.
Às 9h15 desta terça, as plataformas ainda estavam lotadas. A doméstica Cícera Cariri desistiu de ir ao trabalho. “Avisei e disseram que tudo bem, mas que depois descontam. Eles não querem saber”, disse.
Houve quem saísse de casa quatro horas antes do compromisso para não correr riscos. Às 9 horas, a atendente Diana Ramos aguardava o trem na plataforma para chegar às 13 horas no trabalho que acabou de começar.
A CPTM informa que o rapaz que saiu em cadeira de rodas de um vagão teve queda de pressão e foi levado ao pronto-socorro municipal de Caieiras. A CPTM prometeu o reembolso para quem não completou a viagem e uma declaração de ocorrência será disponibilizada no site para quem precisar dar satisfação no trabalho.
G1 – 24/01/2017

Funcionamento de linha de trem em SP será normalizado apenas na quinta-feira


O funcionamento da linha 7 Rubi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), entre as estações Perus, Caieiras, Franco da Rocha, Baltazar Fidélis e Francisco Morato, deverá ser normalizada apenas na quinta-feira (26). A linha férrea dessa área foi afetada por um deslizamento de terra na última sexta-feira (20) e o funcionamento parcialmente interrompido.
De acordo com a CPTM, de sexta-feira até hoje já foram removidos 170 caminhões de terra do local do deslizamento. Os técnicos se concentram agora em recompor os sistemas de fibras óticas, telecomunicação, sinalização e rede aérea do sistema de energia de alimentação dos trens.
Desde sexta-feira, as composições estão circulando apenas em uma das vias entre as estações Perus e Caieras. Por isso, os trens operam com intervalo maior, aumentando a espera para os passageiros. Ônibus extras foram colocados à disposição pelo Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese).
Agência Brasil – 23/01/2017

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Homem é preso por estupro em estação de trem da Central do Brasil (RJ)


Acusado teria usado uma faca para ameaçar a vítima.
A polícia prendeu um homem em flagrante por estupro na linha férrea da estação de trem da Central do Brasil, neste domingo (22). O suspeito teria usado uma faca para ameaçar a vítima, uma adolescente de 16 anos. O homem tentou resistir à prisão, mas terminou conduzido para a Delegacia da Gomes Freire (5ª DP), na região central do Rio.
De acordo com a Supervia, os dois foram vistos durante uma ronda de rotina dos guardas da concessionária. Desconfiados, eles acionaram o GPFer (Grupamento de Policiamento Ferroviário) para auxiliar na abordagem ao suposto casal. O suspeito foi preso e a vítima foi encaminhada para o IML (Instituto Médico Legal), onde serão feitos os exames necessários.
R7 – 23/01/2017

Deslizamento de terra prejudica operação de trem da CPTM em São Paulo


O deslizamento de terra entre as cidades de Perus e Caieiras, em São Paulo, prejudica a circulação de trem da Linha 7 - Rubi, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), entre as estações Perus, Caieiras, Franco da Rocha, Baltazar Fidélis e Francisco Morato. A região vem sendo castigada por forte chuva.

De acordo com a assessoria de imprensa da CPTM, o problema começou na sexta-feira (21), às 9h. Os trens circulam, nesses três dias, apenas em uma das vias entre as estações Perus e Caieras. Por isso, as composições operam com intervalo maior, aumentando a espera para os passageiros. Ônibus extras foram colocados à disposição pelo Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese).

Segundo a CPTM, a chuva que continuou a atingir a região no fim de semana impediu que as equipes de manutenção fizessem a recuperação das vias férreas danificadas pelo deslizamento. Os técnicos terão de recompor os sistemas de fibras ótica, de telecomunicação, sinalização e rede aérea do sistema de energia. Não há previsão de quando a via será liberada.

UOL – 23/01/2017

Passagem das barcas e dos trens do Rio de Janeiro vai subir a partir de fevereiro


Rio - Em dois decretos publicados nesta segunda-feira, o governador Luiz Fernando Pezão autoriza o aumento das tarifas do Bilhete Único, deixando as passagens das barcas e dos trens mais caras a partir de fevereiro. A partir do dia 2, o valor dos trens passará de R$ 3,70 para R$ 4,20 e a partir do dia 12, o das barcas de R$ 4,10 para R$ 5.
O desconto de R$ 1,50 sobre a tarifa básica que havia antes, caiu para R$ 0,90. A diferença entre as tarifas é paga pelo governo do estado.
De acordo com Pezão, a medida foi tomada por "necessidade de equilíbrio das contas públicas do Estado do Rio, tendo em vista a greve crise econômica financeira vivenciada, que torna obrigatória a redução e otimização das políticas públicas, incluindo as da modalidade de subsídio tarifário".
O governador assinou os decretos em 29 de dezembro de 2016, mas os documentos foram divulgados somente nesta segunda-feira.
O Dia – 23/01/2017

domingo, 22 de janeiro de 2017

Descarrilamento de trem na Índia deixa 36 mortos até o momento


Um descarrilamento de trem na noite de sábado deixou pelo menos 36 pessoas mortas na Índia. Segundo a rede britânica BBC, nove vagões saíram dos trilhos perto da estação de Kunero, no distrito de Vizianagram.
Dezenas de pessoas ficaram feridas no acidente e foram levadas para dois hospitais próximos. O trem realizava o trajeto entre as cidades de Jagdalpur e Bhubaneswar, capital do Estado de Odisha.
As equipes de resgate passaram a madrugada trabalhando no resgate aos feridos e muitos ainda podem estar presos nas ferragens. “O número de mortes pode aumentar”, afirmou JP Mishra, porta-voz da empresa que opera a ferrovia.
De acordo com o chefe de polícia local, Ranga Rao, não há indícios de sabotagem e uma falha técnica pode ser a causa do acidente. “Nova vagões saíram dos trilhos e três deles tombaram”, detalhou Rao ao jornal britânico The Guardian.
Tragédias envolvendo trens não são incomuns na Índia, onde muitas das composições estão sucateadas e viajam superlotadas. Em novembro do ano passado, 140 pessoas morreram em um descarrilamento no Estado de Uttar Pradesh.
180 Graus – 22/01/2017

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Justiça de SP suspende aumento de velocidade nas Marginais Pinheiros e Tietê


A Justiça aceitou nesta sexta (20) uma ação contra a Prefeitura que exige o veto ao aumento dos limites de velocidade nas Marginais Pinheiros e Tietê, uma das principais promessas eleitorais de João Doria (PSDB). O governo municipal tem até 30 dias para apresentar defesa.
A proposta da Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade) argumenta que Doria não apresentou garantias de que a mudança não coloca em risco a vida de pedestres que transitam por essas vias.
O projeto inicial de Doria era elevar os limites das pistas locais de 50 km/h para 60km/h, das centrais de 60 km/h para 70 km/h e das expressas de 70 km/h para 90 km/h. Após pressão feita pela Ciclocidade e por outras entidades de ciclistas, o prefeito havia feito pequeno recuo, e mantido o limite de 50 km/h nas faixas da direita das pistas locais.
Em sua decisão, o juiz Luis Manuel Fonseca Pires afirma que “resultados estatísticos, apurados pelo próprio Poder Público, concluíram, após pouco mais de um ano de experiência, pelo acerto da medida (da redução de velocidades proposta pelo ex-prefeito Fernando Haddad)”.
O juiz deferiu o pedido alegando que “a redução das velocidades nas marginais integra-se a uma sequência de outros atos dentro de um programa de prevenção a acidentes” e, por isso, não podem ser suspensas subitamente. O texto alega ainda que a liminar não causa “qualquer prejuízo à Administração Pública ao suspender a alteração drástica da política pública existente”.
A previsão é que o aumento entrasse e vigor na próxima quarta (25), aniversário da cidade, mas fica suspenso até que a Prefeitura se apresente. Segundo a assessoria de imprensa do TJ-SP, o gabinete será notificado no início semana que vem.
Veja – 20/01/2017
Comentário do SINFERP
O prefeito engomadinho “talvez” comece a perceber que não tem poder imperial sobre a capital dos paulistas. Doria I estava convencido de que poderia fazer e desfazer o que bem entendesse, e sem subordinar seus mandos e desmandos a quem quer que fosse.

Manifestantes protestam contra aumento da tarifa da integração em SP


Jornal GGN - Na tarde de ontem (19), cerca de 200 manifestantes protestaram em frente à prefeitura de São Paulo contra o aumento da tarifa de integração dos ônibus com trens e Metrô


O reajuste foi proposto pelo governador Geraldo Alckmin e pelo prefeito João Doria, e suspenso em decisão da Justiça no último dia 10. Na prefeitura, os manifestantes fizeram a entrega simbólica do prêmio Aumento Inovador para Doria, e também queimaram catracas de papelão.


Na quarta (18), o desembargador Spoladore Dominguez, da 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), negou novo pedido de Alckmin para suspender a liminar que impede o reajuste.


Participantes do Movimento Passe Livre entregaram simbolicamente a Doria o prêmio 'Aumento Inovador', caracterizado por uma catraca dourada


Pelo menos 200 manifestantes marcharam na tarde de hoje (19), sob chuva, da estação da Luz até a prefeitura de São Paulo, ambas na região central da cidade. O Movimento Passe Livre (MPL) exige que a Justiça mantenha a decisão de não aumentar a tarifa de integração dos ônibus com trens e Metrô, proposta pelo governador Geraldo Alckmin e pelo prefeito João Doria – e suspensa pela Justiça no último dia 10. 


Na prefeitura, os participantes do protesto entregaram simbolicamente para Doria o prêmio Aumento Inovador, caracterizado por uma catraca dourada, em uma sátira por ele ter inovado na forma de aumentar a tarifa, depois de prometer em campanha eleitoral mantê-la congelada, o que foi feito somente para a passagem unitária. Na frente do prédio, um grupo queimou catracas de papelão, uma ação tradicional do movimento, contra as tarifas do transporte público.


“Nesse ato vamos denunciar o acordo entre João Doria e Alckmin, que permitiu o aumento da integração entre ônibus e Metrô”, disse um dos organizadores, em um vídeo postado na página do movimento no Facebook. “É a segunda tentativa de entregar troféu catraca de ouro para Doria. Agora vamos entregar uma catraca ainda maior, do tamanho do aumento que quer entregar contra o povo."


A concentração começou às 17h em frente ao prédio da Pinacoteca do Estado. Por volta das 18h30, os manifestantes saíram em marcha pelas ruas do centro, segurando cartazes e entoando palavras de ordem contra o aumento. Durante o trajeto, eles foram acompanhados por grande efetivo policial, mas o ato seguiu pacífico do princípio ao fim.


Diferentemente do primeiro ato, realizado no dia 12, os manifestantes não foram impedidos pela polícia de chegar ao destino. Na quinta-feira passada, os participantes do protesto saíram da Praça do Ciclista, na Avenida Paulista, rumo à casa do prefeito João Doria, no Jardim Europa, na zona oeste, onde entregariam para ele o prêmio Aumento Inovador, porém, a Tropa de Choque os impediu de prosseguir "por motivo de segurança", segundo entrevista de um oficial ao coletivo Jornalistas Livres. Os participantes entregaram o prêmio para o comandante da operação.


Nova derrota para Alckmin e Doria


Na noite de ontem (18), o desembargador Spoladore Dominguez, da 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), negou novo pedido de Alckmin para suspender a liminar que impede o reajuste das tarifas de integração e das linhas intermunicipais da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), além da taxa que seria cobrada para acessar plataformas de terminais. O mérito do agravo de instrumento ainda será julgado.


Na decisão, o desembargador argumenta que não há risco irreparável ou prejuízo que justifique a elevação das tarifas e considerou que a medida traria impacto negativo para o usuário. (“...) o alegado prejuízo ao estado (R$ 404 milhões, apenas no exercício de 2017) não se consolidará, de forma imediata, a curto prazo”, afirmou em despacho. No Metrô, o aumento afetaria 23,86% dos usuários e na CPTM, 19,68%.

GGN – 20/01/2017

Usuários aguardam fim de obra estação da CPTM em Suzano


Moradores e passageiros da CPTM, em Suzano, esperam a entrega de parte da estação de trem. É que, há quase um ano, só metade dela foi inaugurada. E são obras que não têm fim. Esse trabalho todo começou em 2011. E uma outra expectativa é com a passarela que está prevista para ser liberada ainda nesse primeiro semestre. Uma alternativa para pedestres que vão se livrar do trânsito de uma das avenidas mais movimentadas do centro.

Ela promete facilitar a vida dos pedestres e trazer mais segurança. “Prá gente que anda mais devagar vai ser mais seguro” disse a pensionista Sônia Maria. Já tem quase uma semana que a passarela da nova estação de Suzano começou a ser preparada. Ela passa por cima da rua Prudente de Moraes e as pessoas poderão atravessar de um lado para o outro, sem precisar esperar o farol.  “Ficamos as vezes esperando 10 ou 15 minutos. E o ônibus para em cima da faixa, você não vê se o semáforo está aberto, se dá prá atravessar. É bem difícil, a passarela vai ajudar bastante” disse a cozinheira Naudina Silva.

Uma ponta fica ao lado da estação, mas todo mundo pode acessar sem pagar a tarifa do trem. A outra ponta fica no lado oposto, em um terreno.  Segundo a CPTM, para inauguração faltam algumas etapas como as instalações do acesso e do bicicletário, além do elevador e da escada rolante. “Acho importante para os pedestres, com dificuldade de andar” disse o aposentado José Pedro Pereira.

No local, além de máquinas, funcionários trabalham nos serviços de alvenaria e concretagem na escada fixa da passarela. O prazo para o término da obra é o primeiro semestre desde ano. A obra da passarela custa mais de R$ 9 milhões. A estação de Suzano, custou cerca de R$ 46 milhões.

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informou que está verificando a entrega da outra parte da estação e assim que tiver uma posição, vão se posicionar sobre o assunto.

G1 – 19/01/2017

Comentários do SINFERP

CPTM: a empresa do “quase”: quase-qualidade, quase-segurança, quase-conclusão de obras...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Em 4ª derrota de Alckmin, aumento da tarifa continua suspenso


São Paulo – O desembargador Spoladore Dominguez, da 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ), negou o último recurso do governo Geraldo Alckmin (PSDB) e manteve suspenso o aumento da tarifa integrada de ônibus com trem e metrô.

Esta é a quarta derrota de Alckmin na Justiça para tentar reajustar parcialmente os preços das passagens e manter a tarifa básica congelada em R$ 3,80, conforme promessa de campanha do prefeito da capital, João Doria (PSDB), seu afilhado político.

O agravo de instrumento do governo Alckmin foi apresentado ao TJ na semana passada para tentar reverter duas decisões, uma liminar e outra monocrática do presidente da Corte, Paulo Dimas, que suspendeu o aumento de 14,8% na tarifa integrada entre ônibus e trilhos e de até 35,7% nos preços dos bilhetes temporais.

No recurso, o governo Alckmin afirmava que as integrações de ônibus com trem e metrô não precisam mais de estímulo financeiro aos passageiros e que o veto aos aumentos propostos iria causar um prejuízo de R$ 1,9 bilhão ao sistema de transporte metropolitano em 2017.

Além das tarifas de integração e dos bilhetes temporais, também seguem suspensos os reajustes de 7,1%, em média, aplicados nos ônibus intermunicipais da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

No recurso, o governo paulista negou que a decisão de encampar a promessa de campanha de Doria e manter a tarifa básica congelada em R$ 3,80 tenha sido política e argumentou que tanto o Metrô quanto a CPTM perderiam passageiros e receita se a gestão estadual tivesse aplicado um reajuste linear pela inflação e elevado o bilhete unitário para R$ 4,05.

Exame – 18/01/2017
Comentário do SINFERP
E o engomadinho começou o ano ferrando o governador. Bem, são do mesmo ninho, né?