segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Conheça o Brasil nos trilhos

Foto Cleide Alves
Trem das Montanhas Capixabas percorre velhas ferrovias do Espírito Santo, passando por túneis e pontes do século 19.

 Que tal um jeito diferente de conhecer o Brasil? Isso se você não se importa com o tempo gasto no trajeto, mas com as paisagens que vão surgindo à sua frente. Então, embarque num trem turístico e aproveite a delícia de uma viagem à moda antiga pelos caminhos de ferro do País.

De Norte a Sul, são 33 os itinerários turísticos nos trilhos brasileiros, em 11 Estados da federação. Experimentamos três roteiros da região Sudeste – Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais – para compartilhar com você. Prepare

O trem vai subindo a serra pela Ferrovia Centro Atlântica (FCA) sem a mochila e bem-vindo a bordo!

Vamos começar a viagem pelo Trem das Montanhas Capixabas, no Espírito Santo, operado pela Serra Verde Express e que parte da Estação de Viana, uma cidade do século 19 na Região Metropolitana de Vitória, a 32 quilômetros da capital. O percurso de 35 quilômetros, de Viana até o município de Marechal Floriano, é feito em duas horas. Adultos pagam R$ 112 apenas para a ida ou R$ 160 para o trecho ida e volta.

pressa nenhuma, a 17 quilômetros por hora, e a história da imigração vai passando pela janela: as casas com fachadas de arquitetura alemã e italiana, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição construída pelos açorianos no estilo barroco de origem portuguesa com influência espanhola e a mata atlântica nativa, espreitando todo o roteiro.

Dentro da Litorina – a máquina movida a diesel, com ar refrigerado, que transporta os passageiros aos sábados, domingos e feriados nacionais – a guia de turismo vai apontando as belezas do trajeto, como o Rio Jucu, que ora aparece, ora se esconde na vegetação. Jucu, na língua tupi, significa rio cheiroso, diz ela. O nome é emprestado do aroma das árvores de canela que margeiam e perfumam o curso d’água.

A estrada foi construída a partir de 1895 para ligar o Rio de Janeiro ao Espírito Santo e preserva, no trecho Viana-Marechal Floriano, duas pontes ferroviárias, uma de ferro e outra de pedra, e dois túneis cavados na rocha de granito (um com 218 metros de extensão e outro com 110 metros).

Jornal do Commercio – 30/08/2015


Trem que ligará São Paulo a Cumbica será entregue com 3 anos de atraso

Com 3 estações, linha foi projetada após fim do Expresso Aeroporto. Alckmin nega que linha seria entregue em 2014. 

A linha 13 Jade da CPTM (Companhia Paulista de trens Metropolitanos), que liga o aeroporto de Cumbica à rede ferroviária existente, vai ser entregue pelo governo de São Paulo no fim de 2017. A linha havia sido prometida para ser em 2014  pelo ex-secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

Depois de desistir do projeto do Expresso Aeroporto por causa do desinteresse da iniciativa privada em financiar as obras, o governo anunciou, em maio de 2013, que a Linha Jade da CPTM iria atender os passageiros do aeroporto.

Em anúncio da extensão da linha 13, em 2013, Fernandes disse que "as três primeiras estações da Linha 13, que vão até o aeroporto de Cumbica, terão 12 km de extensão e serão entregues em dezembro do ano que vem [2014]. As desapropriações são absolutamente nulas, então é uma obra que nós vamos fazer em 16 meses”, ressaltou Fernandes.

Para Alckmin, uma linha de trem leva cerca de 4 anos para ser finalizada. “A Linha 13 foi licitada em 2012 e começou a obra em 2013. Uma linha de trem geralmente leva 4 anos, começou em 2013 e vai ficar pronta em 2017”, afirmou o governador Geraldo Alckmin (PSDB) no fim da manhã desta segunda (31) após participar da inauguração de um novo trecho do Corredor Metropolitano Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta segunda-feira.

Inicialmente, a Linha 13-Jade terá 12,2 km de extensão e três estações: Engenheiro Goulart (na Zona Leste de São Paulo), Cecap e Aeroporto de Guarulhos (em Guarulhos). A estação Engenheiro Goulart será reformada e ganhará mais uma plataforma, já que uma é destinada aos passageiros da Linha 12- Safira, que já existe, e outra será reservada para o trem da Linha Jade. O investimento dessa primeira fase é de R$ 1,2 bilhão.

Dos 12,2 km da linha, 8 km serão elevados e passarão em cima da rodovia Ayrton Senna, do Parque Ecológico Tietê e rodovia Presidente Dutra.

Durante a cerimônia na Vila Galvão, em Guarulhos, o governador criticou atraso do governo federal no repasse de verbas do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

“Temos R$ 250 milhões do PAC, mas não recebemos nenhum centavo. Então nós estamos tocando as obras exclusivamente com recursos do governo do estado”, afirmou sobre a verba prometida pela União para a construção da Linha Jade.

Os trens da Linha Jade terão um modelo diferenciado dos demais e terão bagageiro. “O edital dos trens deve ser licitado agora no mês de setembro. São oito trens novos que serão adquiridos já com essa característica”, afirmou o atual secretário de Transportes Clodoaldo Pelissioni.

Indagado sobre o motivo do atraso na entrega da linha, Pelissioni falou que a dificuldade foi a falta do recebimento de recursos do PAC. “Eram R$ 250 milhões para se comprar os trens, energia, sinalização, todo o sistema de telecomunicações, o dinheiro não veio ainda. Então estamos atrás de alternativas, pois precisamos licitar esses serviços e executá-los e demora entre um ano e meio e 2 anos”, argumentou.

As obras civis da linha 13 devem ser concluídas no início de 2017.

G1 – Tatiana Santiago - 31/08/2015

Comentário do SINFERP


Ele nega, é claro. A “culpa” é do governo federal, é claro.  Coitado. Ô dó!!!

domingo, 30 de agosto de 2015

Trem do Corcovado, o passeio turístico mais antigo do País

O trajeto de 20 minutos pela Estrada de Ferro do Corcovado leva milhares de pessoas ao Cristo Redentor.

Agora que você desembarcou do Trem das Montanhas Capixabas, com sua paisagem serrana, dê um pulinho ao Rio de Janeiro e siga pela Estrada de Ferro do Corcovado, o passeio turístico sobre trilhos mais antigo do Brasil. A linha férrea, inaugurada em 1884 pelo imperador dom Pedro II, passa pelo Parque Nacional da Tijuca, fragmento de mata atlântica com 39,51 quilômetros quadrados.

O trajeto de 3,824 quilômetros de extensão dura 20 minutos, da Estação do Cosme Velho até o alto do Corcovado, a uma altitude de 710 metros. A velocidade de 15 quilômetros por hora na subida e 12 km/h na descida é um convite a apreciar a floresta, aproveitando o ar puro e a temperatura amena, e um contraste com o cenário urbano da capital fluminense. O passeio para visitante custa R$ 62, na alta temporada.

O Trem do Corcovado está em atividade desde 1917, mas a máquina a vapor do século 19 foi substituída por uma locomotiva elétrica, que não polui o ambiente. A ferrovia leva cerca de um milhão de pessoas por ano aos pés do Cristo Redentor, monumento inaugurado em 1931 e considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno.

“Todas as peças para a montagem do Cristo foram transportadas na ferrovia, por quatro anos, a partir de 1927”, diz Ricardo Pina, relações públicas do Trem do Corcovado, empresa privada que gerencia o serviço. Santos Dumont, o célebre aviador, pedia para “pilotar” a máquina quando fazia o trajeto até a Estação Paineiras, continua.

A ferrovia que no passado conduziu reis e príncipes encantou o servidor público federal de Vitória (ES), Luciano Marinato, em visita ao Morro do Corcovado. “Um passeio lindo, fiz questão de vir de trem, embora a Van fosse mais barata. Quis mostrar a paisagem às minhas filhas, sentir a natureza. A gente não veria isso de carro”, observa.

Para os visitantes, passear de trem, é uma maneira divertida de viajar pelo País. Mais do que isso, é também uma forma de preservar o patrimônio ferroviário brasileiro, diz o coordenador nacional do Projeto Trem é Turismo, Luiz Carlos Barboza.

O projeto é uma parceria da Associação Brasileira das Operadoras de Trens Turísticos e Culturais (Abottc) com o Sebrae, para fortalecer destinos turísticos sobre trilhos. “A ideia é, também, apoiar empreendimentos no entorno das estações, como guias de turismo, hotéis, pousadas, restaurantes e pequenas empresas”, explica o coordenador do programa pelo Sebrae, Geraldo Costa.

Jornal do Commercio – 30/08/2015


sábado, 29 de agosto de 2015

Do bonde ao ônibus: o início do transporte coletivo de Terezinha (PI)

Foto Wilson Filho
Hoje, aos 163 anos, Teresina é uma cidade que possui 123 bairros e 840 mil habitantes. Mas para chegar ao seu porte atual, muitos caminhos foram percorridos. Ao longo do tempo, as ruas se cruzaram e se multiplicaram conforme a população, a migração e a importância da capital piauiense cresciam. Da mesma forma, a necessidade de se deslocar pelo espaço público de forma rápida e segura ficou latente, quando os quarteirões se expandiam em número para além das quadras projetadas e umbilicalmente ligadas ao rio Parnaíba. 

Por falar nele, vem do Velho Monge o primeiro veículo de transporte coletivo, ainda que intermunicipal: a barca, que no século XIX fazia o trajeto Floriano – Parnaíba e parava nas cidades ao longo do rio. 

Entretanto, em terra firme, a primeira iniciativa de transportar a população de forma coletiva surgiu 75 anos depois da fundação da cidade, e veio sobre trilhos. Não, não foi o trem. Ele só chegou em 1938, mesmo com a estação lhe esperando, prontinha, desde 1926. Em 1927, os teresinenses começaram a se locomover de bonde. 

O trecho era pequeno, é bem verdade: cerca de três quilômetros. Contemplava a Rua Grande, atual Álvaro Mendes até a estação do trem, na atual Miguel Rosa. A historiadora Mary Lucia Carvalho, que escreveu o livro “O ônibus só sai depois que estiver cheio”, que trata do transporte urbano em Teresina entre as décadas de 1930-1960, conta em sua obra, a partir de relatos de jornalistas da época e de trabalhos de estudiosos do tema, como os professores Francisco Alcides do Nascimento e Pedro Vilarinho Castelo Branco, que o veículo nasceu para atender os anseios da elite. 

“Nos anos 1920, nós só tínhamos dezoito quadras (de extensão) na cidade. Se você contar a partir da praça da Bandeira até a Miguel Rosa, são exatamente dezoito quadras. E poucas ruas tinham calçamento. A Inspetoria Federal (órgão responsável na época) mandou fazer os trilhos em meio a muita areia. Havia muitos descarrilamentos”, relata.

De acordo a estudiosa, relatos dos jornais dão conta que o bonde transportava estudantes e trabalhadores sempre pela manhã, mas aos domingos, funcionava durante todo o dia, como um divertimento para a população. O passeio no veículo era ainda uma recompensa para as crianças que se comportavam durante a semana. 

A demanda pelo transporte acabou fazendo com que fosse necessário ampliar o número de assentos, que veio com o Rebocado, uma extensão acoplada ao bonde, que acabou trazendo um fator paradoxal: ao mesmo tempo em que podia ser utilizado por ricos e pobres, as classes tinham seus espaços diferenciados, assim como o valor das passagens não era igual e dependia do local onde o passageiro ficava. 

“Segundo o Ogmar Monteiro, em suas memórias, havia essa diferenciação de os pobres ficarem atrás (no rebocado) e até a questão comportamental. Nos ônibus, nas décadas seguintes, a gente também percebe isso”, diz Mary Lúcia. A diferenciação também se dava pelas vestes e na forma de se portar, como explica Pedro Vilarinho, em trecho reproduzido no livro da autora. 

Dois anos depois de idas e vindas, com a diminuição dos usuários e os problemas da máquina, o bonde foi desativado e posto à venda pela Intendência Municipal no dia 26 de novembro de 1929. 


Cidadeverde.com – 27/08/2015

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Após estudo, Metrô do DF amplia nº de trens para Ceilândia durante pico

Mudança começa nesta quinta, durante um mês, em caráter experimental. 75% dos usuários usam sentido; outros passageiros vão para Samambaia.

O Metrô vai aumentar a partir desta quinta-feira (27) a quantidade de trens circulando em horário de pico na linha que vai para Ceilândia, maior região administrativa do Distrito Federal. O objetivo é diminuir a superlotação entre 16h45 e 20h15. Nesse intervalo, a empresa coloca normalmente 24 veículos em atividade.

A companhia informou que, durante o próximo mês, para cada trem que sair da estação da Rodoviária do Plano Piloto, haverá dois com destino a Ceilândia e um para Samambaia. Com a mudança, o intervalo entre os trens no trecho entre as Estações Águas Claras e Ceilândia será reduzido de 7 minutos para 3 minutos e 33 segundos

A medida foi tomada depois de um estudo que apontou que, a cada três usuários que usam a linha para Ceilândia , apenas um utiliza o ramal para Samambaia.  O Metrô funciona entre 6h e 23h30 de segunda a sábado e 7h e 19h aos domingos e feriados.

A média é de 140 mil passageiros por dia. O sistema tem 42,3 quilômetros de extensão e liga Ceilândia e Samambaia ao Plano Piloto. Ele opera com 24 vagões no horário de pico. A estação com maior fluxo é a da Rodoviária do Plano Piloto, por onde passam 20 mil pessoas por dia.


G1 – 27/08/2015

Trem nazista cheio de ouro achado na Polônia pode estar minado

O governo polonês alertou os caçadores de tesouros nesta quinta-feira (27) que o suposto "trem nazista", recentemente descoberto no sudoeste do país, provavelmente está minado. A localização exata do veículo, sobre o qual há boatos de que estaria carregado de ouro, permanece secreta.
"Neste trem, cuja existência estou convencido, pode haver materiais perigosos da Segunda Guerra Mundial. É provável que o trem esteja minado", escreveu em um comunicado o curador geral de monumentos, Piotr Zuchowski, secretário de Estado do ministério da Cultura e Patrimônio da Polônia.

Zuchowski também indicou que, após divulgação sobre a descoberta do "trem de ouro" na região da cidade de Walbrzych, um grande número de caçadores de tesouros frequentam a região. "Peço a todos que parem de procurar o veículo até o final do procedimento formal para garantir a segurança da descoberta", acrescentou.

O assessor jurídico dos descobridores, um polonês e um alemão que desejam permanecer anônimos, Jaroslaw Chmielewski, afirmou que seus clientes informaram oficialmente as autoridades do achado. Segundo Chmielewski, eles descreveram os detalhes da descoberta, que seria um trem blindado de 120 a 150 metros.

Lenda dos trens de ouro e joias

Ontem (26), o vice-prefeito de Walbrzych, Zygmunt Nowaczyk, declarou à imprensa que o trem está nesta cidade no sudoeste da Polônia. O anúncio da descoberta reacendeu a lenda de trens carregados de joias e objetos de valor, roubados dos judeus pelos nazistas.

Muitas lendas sobre túneis subterrâneos secretos próximos de Walbrzych, onde haveria tesouros escondidos do Terceiro Reich, baseiam-se na história de um enorme edifício nazista, com ramificações subterrâneas, conhecido pelo nome de Riese.

Essas instalações deveriam acomodar também arsenais estratégicos dos alemães, protegidos dos bombardeios aliados. Parte destas galerias subterrâneas estão abertas aos turistas, mas os caçadores de tesouros acreditam na existência de muitas outras.


RI – 27/08/2015

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Haddad é hostilizado durante inauguração de ciclovia em São Paulo

Foto Tiago M. Chiaravalloti
Prefeito de São Paulo foi xingado enquanto circulava de bicicleta; via já foi reaberta.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, foi hostilizado na manhã deste domingo (23) quando andava de bicicleta pela avenida Paulista.

A via foi fechada hoje para a circulação de carros e aberta somente para ciclistas, skatistas e pedestres, após uma semana de polêmicas sobre o bloqueio da via.

A Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo da Capital havia recomendado à Prefeitura que a avenida Paulista não fosse interditada neste domingo porque foi assinado com o Ministério Público, em 2007, um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta, no qual foi limitado a três o número de eventos de duração prolongada e interrupção da avenida Paulista. A prefeitura, contudo, decidiu manter o planejamento de fechar a via.

 Enquanto circulava pela avenida, o prefeito foi impedido de passar de bicicleta por um casal.

Os manifestantes o teriam insultado e retido sua bicicleta, recuperada pelos seguranças de Haddad instantes depois. A Secretaria de Comunicação da Prefeitura confirmou o ocorrido.

A avenida ficou totalmente bloqueada até as 17h42, segundo informou a CET.

Durante o dia, grande número de pedestres e ciclistas passaram pelo local.

Pela manhã, foi inaugurado mais um trecho para bicicletas, o da avenida Bernardino de Campos, na Vila Mariana, que é interligada à ciclovia da avenida Paulista.

De acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a presença de um bloco carnavalesco no vão livre do MASP (Museu de Arte de São Paulo) fez com que o policiamento também fosse acionado para apoiar a liberação da via. 

R7 – 23/08/2015

Comentário do SINFERP

Nosso povo precisa de transporte coletivo, e não dessa frescura para deleite de classe média. 

Frente Parlamentar das Ferrovias se reúne com ministro dos Transportes, em Brasília

O deputado Mauro Bragato (PSDB), coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista, esteve nesta terça-feira, 18/08, no Ministério dos Transportes. Acompanhado de outros cinco parlamentares, foi recebido pelo ministro Antonio Carlos Rodrigues para tratar das ferrovias paulistas. Falaram do traçado da Norte—Sul em São Paulo, solicitaram mais investimentos na malha paulista e abordaram a situação de abandono das ferrovias por parte da concessionária ALL.
O ministro se colocou à disposição para celebrar convênios com São Paulo e o deputado Bragato o convidou para uma próxima reunião da Frente. Rodrigues ainda falou que se os deputados quiserem podem organizar um grupo técnico para definir quais seriam as ações definidas para atuação em São Paulo.
O deputado Orlando Bolçone (PSB) falou sobre a necessidade de cuidar da segurança, com aumento do eixo que corta o Estado, e do contorno ferroviário em São José do Rio Preto. O secretário de Desenvolvimento Econômico de Ourinhos, José Claudinei Messias (que acompanhou a comitiva) falou do trecho Ourinhos/Assis/Presidente Prudente, desativado pela concessionária ALL. Apresentou estatísticas do uso decrescente da Ferrovia Sorocabana.
Também ficou acertado que a Frente levará o assunto ao governador Geraldo Alckmin e ao secretário estadual de Logística e Transportes, Duarte Nogueira, para uma proposta de ação conjunta com o Ministério.
Além de Bragato e Bolçone estavam presentes na reunião os deputados Ramalho da Construção, Maria Lúcia Amary, Vaz de Lima (todos do PSDB) e Edson Giriboni (PV). Também participaram o diretor da ANTT, Carlos Nascimento, o secretário de Fomento do Ministério, Daniel Sigelmann,e o diretor de Infraesturura Ferroviária do DNIT, Mario Dirani.
Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo – 28/08/2015
Comentário do Sinferp
Como temos afirmado o tempo todo, a tal Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista nada mais é do que uma reunião de deputados do interior, com o objetivo de marcar presença junto aos eleitores de suas bases, e com apoio dos prefeitos e vereadores das províncias que controlam.  Não sai dessa frente nenhuma discussão de amplitude maior, e que possa ter algum reflexo na malha ferroviária paulista. Esperto, o governo federal jogo pipoca para esse espetáculo, da mesma forma que o fez a própria ALL.  Resumindo: se depender de todos eles, a ferrovia no Estado de São Paulo vai ficar do jeito que está, se não ficar pior.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

SP descarta estudos de projetos de infraestrutura em metrô, trem e ônibus

Entre eles estão obras para implantação de linhas de metrô e monotrilho. Governo diz que arquivou manifestações de interesses privados e não PPPs.

O governo do estado de São Paulo descartou 32 projetos de estudos de parcerias público-privada (PPPs) na área de infraestrutura. Entre eles estão propostas para a realização de obras para implantação de linhas de metrô e monotrilho, trens de alta velocidade para o interior e ABC e corredores de ônibus, entre outros. A decisão do Conselho Gestor do Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas foi divulgada no "Diário Oficial" do último sábado (22).

A subsecretária de parcerias e inovações do governo de São Paulo, Karla Bertocco, explicou que os projetos arquivados são Manifestações de Interesse Privado (MIPs), apresentadas por empresas que pretendem estudar e apresentar uma proposta de Parceria Público-Privada (PPP). "Não existem essas PPPs ainda, não houve o arquivamento de propostas, e sim de manifestações de interesses privados para iniciar estudos sobre esses assuntos", disse.

A PPP é um contrato de prestação de serviços ou obras. As empresas são pagas diretamente pelo governo para realizar uma tarefa e podem ainda obter parte de seu retorno financeiro explorando o serviço. Nas MIPs, são os investidores interessados que levam ao governo estadual suas propostas de construção de uma nova linha de metrô, por exemplo.

Karla disse que as 32 propostas foram arquivadas neste momento também por causa de um decreto publicado em julho que define uma plataforma digital para os projetos serem apresentados. "É a forma que a gente tem de ter isso de forma mais organizada. Você pode submeter isso pelo site, não precisa vir até o governo, é como se fosse o Poupatempo, e em 60 dias pretendemos dar uma resposta aos interessados."

Alguns projetos foram negados, no entanto, devido a mudanças no cenário econômico e regulatório ou porque eram antigos e tinham outros projetos semelhantes já em curso. A área de mobilidade urbana foi a que teve mais propostas arquivadas. Ao todo, 12 propostas envolvendo o tema foram canceladas.

Entre as propostas de projetos de estudos descartadas sobre mobilidade estão:

- Implantação de linha de Metrô/ monotrilho interligando os bairros de Santo Amaro, Jardim Ângela e Capão Redondo
- Expresso ABC/Linha 10;
- Expresso Bandeirantes;
- Expresso Jundiaí;
- Construção, operação, manutenção e adequação da Linha 2 do Metrô;
- Modernização da Linha 7-Rubi da CPTM;
- Implantação, operação e manutenção da Linha 19 (Celeste) do Metrô;
- Implantação, operação e manutenção da Linha 20 (Rosa) do Metrô:
- Duplicação, operação e manutenção da Rodovia SP-079;
- Expresso ABC;
- Monotrilho ligando a estação Portuguesa/Tietê ao Aeroporto de Guarulhos;
- Corredor de ônibus (Ant. João/Alphaville/Santana do Parnaíba);
- Construção, operação e manutenção de extensão do trecho Sul do Rodoanel e Rodovia de acesso à Baixada Santista partindo do Trecho Leste do Rodoanel (Ligação SP-021).

As propostas de construção de fóruns regionais e de prédios do Ministério Público receberam parecer contrário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) porque “as atividades exercidas pelo Poder Judiciário não seriam passíveis de delegação à iniciativa privada”, provocando a “submissão” do Judiciário ao conselho e “violaria a separação dos Poderes”.

Dessalinização

O governo estadual também descartou as propostas de desenvolvimento para implantação dos projetos de dessalinização da água do mar e implantação do sistema de dessalinização de água associada ao sistema de transporte para a região metropolitana. Ao todo, o Conselho Gestor das Parcerias Público-Privadas (PPPs) excluiu cinco projetos de saneamento de investimentos. Um dos projetos, estimado em R$ 1,5 bilhão, foi apresentado ao governo em fevereiro deste ano por um consórcio formado por três empresas.

Algumas das propostas como a construção e operação de seis fóruns, de três complexos prisionais, de pátios para veículos apreendidos, da Linha 20-Rosa do Metrô e do Expresso ABC, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) já tinham estudos ou licitação anunciados.

Outras propostas foram arquivadas por decisão dos próprios conselheiros, em vista de parecer técnico existente contrário ao seguimento de tais propostas, segundo manifesto dos próprios setoriais responsáveis, que sustentaram a sugestão de arquivamento, principalmente pela incompatibilidade das propostas com as demais ações prioritárias de cada uma das pastas, ou pela inviabilidade de implementação de projeto que se demonstraria concorrente com demais empreendimentos implantados (alguns já, inclusive, em operação) ou por implantar.

A restrição orçamentária vigente revogou as propostas que demandariam grande participação financeira do Estado, recomendando o arquivamento da implantação, operação e manutenção da Linha 19 (celeste) do Metrô; implantação, operação e manutenção da Linha 20 (Rosa) do Metrô; e Pátio Legal.

A decisão de arquivamento também contemplou as propostas que foram apresentadas sem  os requisitos mínimos para a sua submissão como: duplicação, operação e manutenção da Rodovia SP-079; projeto identificação veicular; Expresso ABC; construção, operação e manutenção de 200 creches na Grande SP; e monotrilho ligando Portuguesa/Tietê ao Aeroporto de Guarulhos.

G1 – 25/08/2015

Comentário do SINFERP


Em resumo: quem acreditou em linhas de trens até para a Lua, ficará a ver navios.

Atirador em trem é suspeito de pertencer a grupo 'islâmico radical'

Duas pessoas ficaram gravemente feridas no ataque. Suspeito seria marroquino de 26 anos.

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, declarou neste sábado (22) que o homem detido depois de disparar tiros em um trem que ai de Amsterdã a Paris nesta sexta é suspeito de pertencer a um grupo "radical islâmico". O suspeito seria um homem marroquino de 26 anos que consta nas fichas do serviço secreto francês segundo informações fornecidas pela Espanha. No entanto, sua identidade ainda não foi formalmente estabelecida, segundo o ministro.

No incidente de sexta, duas pessoas - um americano e um britânico - foram feridas gravemente, enquanto uma terceira pessoa, o ator Jean-Hugues Anglade (dos filmes "Killing Zoe" e "Nikita"), ficou levemente ferido.

O atirador foi impedido quando saiu do banheiro. Dois militares norte-americanos à paisana o ouviram acionar a culatra de uma arma no banheiro e intervieram quando ele saiu, dominando-o. O Pentágono confirmou à CNN que um militar ficou ferido no incidente, mas não corre risco de morrer.

A procuradoria antiterrorista de Paris assumiu a investigação, "dada as armas utilizadas, o local e o contexto". O premiê belga, Charles Michel, afirmou que o caso é um "ataque terrorista".

"Temos que ser prudentes, mas se a identidade que declara for confirmada, seria um cidadão marroquino de 26 anos, que foi apontado pelas autoridades espanholas aos serviços de inteligência franceses", afirmou o ministro em coletiva de imprensa neste sábado.

De acordo com Cazeneuve, este homem morou em 2014 na Espanha e em 2015 na Bélgica. A justiça belga abriu uma investigação com base na lei antiterrorista.

O suspeito estava detido neste sábado na região de Paris, na sede da subdivisão antiterrorista e da Direção Geral de Segurança Interna. Segundo a emissora "BFM TV", ele teria negado ser terrorista e dito que pretendia assaltar os passageiros. Ele teria entrado em Bruxelas no trem, que só tinha outra parada no destino final, Paris.

Fontes policiais francesas ouvidas pela France Presse disseram que a declaração não convenceu os investigadores.

Fuzil

Uma vez que aconteceu o incidente, o trem foi desviado à estação de Arras, onde o autor dos tiros, que teria usado um fuzil AK-47, foi posto à disposição da polícia desta cidade do norte da França, perto da fronteira com a Bélgica.

Os serviços de saúde de urgência foram à estação de Arras para atender os feridos.

Em entrevista a revista "Paris-Match", o ator francês Jean-Hugues Anglade acusou os funcionários da companhia do trem de se trancar na cabine e negar ajuda.

Ação 'heroica'

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, qualificou de “heroica” a ação de dois militares americanos que dominaram o atirador . Obama expressou sua "profunda gratidão pela coragem e reação de vários passageiros, incluindo dois membros do Exército americano, que de maneira altruísta, dominaram o agressor", informou um funcionário da Casa Branca.

O presidente francês François Hollande receberá os militares no Palácio Eliseo nos próximos dias "para expressar o agradecimento da França", segundo nota obtida pela agência France Presse.

G1 – 22/08/2015

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

França tratará segurança em trens com países vizinhos

Foto François Lenoir
Paris - O secretário de Estado de Transportes francês, Alain Vidalies, anunciou nesta segunda-feira que, "nos próximos dias", irá manter reuniões com os países vizinhos" para decidir novas medidas" de segurança nos trens internacionais, após o ataque de sexta-feira no Thalys que faz a rota Amsterdam-Paris.
Vidalies, em entrevista à emissora "France Info", citou Bélgica, Holanda e Alemanha, que são os países pelos quais circulam os trens Thalys.
O presidente francês, François Hollande, tinha falado pouco antes de uma reunião entre ministros do Interior. O departamento francês de Interior não confirmou, por enquanto, a informação oferecida pelo canal "BFM TV" de que essa reunião possa ocorrer no próximo sábado, nem ventilou os países que participariam.
Vidalies anunciou que na França foi decidido criar um número de telefone para que o público possa avisar sobre qualquer incidência nas estações ou nos trens e que serão reforçados "os controles aleatórios das bagagens", como uma das respostas concretas.
O secretário de Estado descartou os controles sistemáticos na entrada dos trens porque "não se pode fazer o mesmo que ocorre no transporte aéreo", já que a cada ano há 2 bilhões de passageiros de trem na França, frente a 140 milhões de aviação.
"Não se pode imaginar que ponhamos controles em todas as estações" quando "a cada dia circulam na França entre 12 mil e 13 mil trens", argumentou.
O presidente da Sociedade Nacional de Ferrovias da França (SNCF), Guillaume Pépy, insistiu ao canal "BFM TV" que se houvesse controle de passageiros e de suas bagagens, seria preciso multiplicar por 20 as medidas feitas nos aeroportos.
"A resposta adequada são os serviços de inteligência" porque "os terroristas que atuam de forma individual podem atentar em qualquer lugar", argumentou Pépy, após reiterar que vão ser realizados controles aleatórios de bagagens mais frequentes e pedirá aos passageiros que estejam atentos.
Uma porta-voz da SNCF precisou à Agência Efe que no ano passado os trens de alta velocidade (TGV) transportaram 129 milhões de passageiros.
Desses 129 milhões, 29,7 milhões corresponderam a trens internacionais, como os Thalys que conectam com a Bélgica, Holanda e Alemanha (6,9 milhões), ou os que vão à Suíça, Itália, Espanha e Reino Unido.
De todos eles, unicamente os viajantes que utilizam o Eurostar para Londres têm que passar um controle de passageiros (o Reino Unido não pertence ao espaço Schengen) e ao mesmo tempo têm que passar suas malas pelo scanner antes de embarcar.

Exame – 24/08/2015