terça-feira, 30 de abril de 2013

'Quebramos vidros porque tinha gente passando mal', diz usuário do Metrô de SP


Passageiros do Metrô de São Paulo que ficaram presos em um trem após uma falha no sistema da linha 3-vermelha, na manhã desta terça-feira (30), relataram à Folha problemas enfrentados durante o incidente.

O passageiro Denis de Paula, 24, estava na composição que parou entre as estações Carrão e Tatuapé. O trem seguia no sentido Palmeiras - Barra Funda quando a falha ocorreu, por volta das 7h30. Segundo o Metrô, o problema foi corrigido às 8h30.

"Eu estava no terceiro ou quarto vagão quando aconteceu o problema. O metrô parou como faz com frequência entre estações. Nos primeiros 15 minutos de espera, o ar-condicionado permaneceu ligado, mas depois todo o metrô foi desenergizado, e também ficamos sem ar. Antes disso, a gente ouvia ruídos, mas não conseguia entender quase nada que o operador dizia pelo alto-falante", disse o usuário.

Denis de Paula disse ter apertado os botões de emergência para abrir as portas, mas não adiantou. "Então quebramos os vidros das janelas com chutes para sairmos porque tinha gente passando mal. Eu vi pelo menos quatro sem ar, que foram auxiliados por seguranças", relatou.

O usuário disse que havia cerca de 300 pessoas no vagão em que ele estava. Segundo ele, depois que o ar foi desligado, eles ficaram mais cerca de dez minutos "respirando o mesmo ar."

O passageiro disse ter demorado três horas para fazer o trajeto da estação Corinthians-Itaquera (zona leste) ao trabalho dele, em Santo Amaro, na zona sul. Em dias normais, ele disse que gasta, no máximo, 1h20 para fazer o mesmo percurso.

Denis de Paula disse ter ficado irritado após o Metrô dizer que o problema foi agravado por causa dos passageiros. "A gente fica passando aquela dificuldade por uma falha deles [Metrô] e querem nos culpar?", disse.

A compradora Camila Cunha, 27, disse estar no primeiro vagão onde ocorreu o problema e viu pessoas passarem mal devido à falta de ar. "Perto de mim um rapaz que dizia ter claustrofobia começou a passar mal. Uma moça próxima à porta estava sem ar e um pouco mais distante uma criança também", disse.

Segundo a passageira, um grupo de quatro homens quebraram todos os botões de emergência do vagão e tentaram quebrar as portas, mas conseguiram. Ela disse que instantes depois, as portas se abriram e os passageiros conseguiram chegar à estação Tatuapé após andar pela lateral dos trilhos.

Para conseguir chegar ao trabalho em Pinheiros (zona oeste), Cunha se espremeu em um aglomerado de passageiros que se acumulou em um dos pontos de ônibus da Radial Leste. Ela chegou com duas horas de atraso.

Um problema de tração em um trem da linha 3-vermelha foi o responsável pela lentidão durante a manhã. Segundo o Metrô, a composição precisou ser rebocada, o que fez os trens circularem por uma única via entre as estações Brás e Dom Pedro 2º.

Procurado, o Metrô não se manifestou sobre os relatos dos usuários até a publicação desta matéria.

Folha de São Paulo – Felipe Souza - 30/04/2013

Comentário do SINFERP

De fato, a CPTM está fazendo escola. Imaginávamos que pudesse aprender com o Metrô, mas está dando aulas. A “culpa” é do usuário. Certo. Essa já conhecemos. Hum....... Talvez a "culpa" seja do maquinista, que ficou falou em grego pelo auto-falante, só para sacanear. Sabotador? Vândalo, talvez? 

Pane provoca lentidão no Metrô e passageiros descem dos trens em SP


Falha no sistema de tração foi registrada às 7h27 e fez com que a circulação de trens na Linha 3-Vermelha fosse feita com velocidade reduzida na manhã desta terça-feira.

SÃO PAULO - Os trens da Linha 3-Vermelha do Metrô circularam com velocidade reduzida na manhã desta terça-feira, 30. Uma pane no sistema de tração de uma composição que trafegava sentido Palmeiras-Barra Funda às 7h27 fez com que passageiros descessem dos vagões e caminhassem até a estação Tatuapé.
Como consequência da circulação prejudicada em pleno horário de pico da manhã, plataformas de algumas estações do Metrô, principalmente da Linha 3-Vermelha, ficaram lotadas. Os reflexos também afetaram a Linha 1-Azul, que operou com velocidade reduzida até por volta das 8h50.
O trem com defeito ficou parado por cerca de meia-hora. Segundo o Metrô, a iniciativa de abandonar o trem foi tomada pelos próprios passageiros. Eles caminharam por uma passarela de emergência, sob a orientação de funcionários da empresa, ainda de acordo com o Metrô. Técnicos trabalham para normalizar a circulação.
Passageiros que esperavam pelas composições nas plataformas disseram que o Metrô não deu previsão para a normalização do serviço. A companhia recomendou aos que se dirigiam no sentido da Estação Barra Funda para utilizarem os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), onde os usuários também encontraram estações lotadas.
Às 9h07, segundo o site do Metrô, a circulação era normal em todas as linhas. A CPTM informou que a circulação em suas linhas não foi afetada.
O Estado de São Paulo – Tiago Dantas – 30/04/2013
Comentário do SINFERP
Gozado. Pensávamos que era a CPTM quem pretendia adotar o padrão Metrô. A continuar assim, e poderemos deduzir que o Metrô está adotando o padrão CPTM.

Dia do Ferroviário


Importante parte da história

Em 30 de abril de 1854 foi inaugurada a primeira linha férrea do Brasil, o que fez com que a data se transformasse em o Dia do Ferroviário, profissional que trabalha nas estradas de ferro.

Embora apenas recentemente se reconheça novamente o valor do transporte ferroviário, ele tem presença significativa na história, tanto no transporte de passageiros quando de cargas na construção do País.

Uma marca histórica está em 1930, quando Getúlio Vargas pegou um trem no Rio Grande do Sul e seguiu para o Rio de Janeiro, conduzindo as tropas gaúchas que iriam depor o presidente Washington Luís e começar um novo período da história nacional.

São Paulo tornou-se São Paulo às margens e ao longo das ferrovias.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

SINFERP homenageia Paulo Vanzolini

Sua tão famosa RONDA, em interpretação de João Gilberto



Novos trens de alta velocidade começam a ligar Moscou a Nizhny Novgorod


Composições com cinco vagões transportam até 850 passageiros
Começou a trafegar no domingo, 28, o novo trem de alta velocidade Lastochka (Andorinha) ligando Moscou a Nizhny Novgorod.  O tempo de viagem entre estas duas cidades a bordo deste veículo demora quatro horas.
Uma fonte da empresa Ferrovias da Rússia, operadora do transporte, revelou à agência de notícias Itar-Tass que as composições têm cinco vagões fabricados pela empresa alemã Siemens e que, nesta fase inicial de operações diárias, que irá até 30 de setembro, os horários de partida são 14h15, de Moscou, e 19h15, de Nizhny Novgorod.
Durante o percurso, o trem Lastochka faz três paradas: duas de um minuto, nas cidades de Dzerzhinsk e Kovrov; uma de dois minutos, na cidade de Vladimir. O preço da passagem é de 850 rublos, o que pela cotação atual da moeda russa, equivale a R$ 54,31.
De acordo com a empresa Ferrovias da Rússia, os russos estão habituados aos trens de alta velocidade, como, por exemplo, os que ligam as cidades de Velikiy Novgorod, Bologoye e São Petersburgo.
As próximas rotas dos trens Lastochka serão as ligações de Moscou com Kazan e Sochi. Estas duas cidades sediarão, respectivamente, os Jogos Olímpicos Universitários, em julho de 2013, e as Olimpíadas e Paraolimpíadas de Inverno, em fevereiro e março de 2014.
Estes veículos se unirão às composições Sapsan (Falcão), também de alta velocidade, que ligam Moscou à Nizhny Novgorod em viagens de 3h55.
Os trens Lastochka possuem assentos multicoloridos e telas digitais que indicam a duração da viagem e a rota percorrida. Cada composição de cinco vagões tem capacidade para transportar até 850 passageiros.
Diário da Rússia – 29/04/2013

SP anuncia vencedor para obras do VLT da Baixada Santista (SP)


A EMTU/SP anunciou na semana passada o vencedor da licitação para execução de obras do primeiro trecho do VLT, ligando Barreiros, em São Vicente, até a Estação de Transferência Conselheiro Nébias, em Santos.  O vencedor da concorrência, da qual participaram cinco consórcios, foi o Expresso VLT Baixada Santista, consórcio formado pelas empresas Construtora Queiroz Galvão S.A. e Trail Infraestrutura Ltda. A proposta ganhadora foi de R$ 313.505.850,90.

As obras tem previsão de início em maio deste ano e conclusão em junho de 2014. No trecho, que terá 9,5 quilômetros, serão construídas 14 estações além do Terminal Barreiros e a Estação de Transferência Conselheiro Nébias. Estão previstas também obras para a passagem do VLT, como uma travessia sob a rodovia dos Imigrantes, o viaduto Antônio Emmerick e a ampliação do túnel no bairro do José Menino, em Santos.

O segundo trecho Porto - Conselheiro Nébias – Valongo ainda está em fase de licenciamento ambiental e as obras estão previstas para serem iniciadas em julho deste ano, com conclusão prevista para julho de 2014.

O cronograma apresentado pela EMTU/SP prevê que o primeiro VLT deverá ser entregue em junho de 2014. A previsão é de que a entrega de todos os veículos esteja concluída até maio de 2015. 

Revista Ferroviária – 29/04/2013

domingo, 28 de abril de 2013

Um meio para a integração ferroviária no Brasil


Quando das primeiras concessões ferroviárias outorgadas pelo Governo Imperial e pelos governos provinciais, nas décadas de 60, 70 e 80 do século XIX, muito cuidado se tomou na preservação dos direitos de cada concessionário, para garantir o maior número de interessados na construção de ferrovias. Assim, houve favores como garantia de juros (o governo garantia o retorno do capital investido até uma determinada porcentagem, caso a estrada desse prejuízo) e zona privilegiada (outras ferrovias não podiam invadir trechos das já construídas numa distância de 20 léguas).

Porém, pouca atenção se deu para uma uniformização de bitolas. Há ainda controvérsias sobre os motivos da não uniformização em nosso País. Aqui, adotamos a bitola de 1,60 m (denominada “larga”) nas principais ferrovias que partiam do litoral (E. F. Dom Pedro II, depois E.F. Central do Brasil, São Paulo Railway e Companhia Paulista). Porém, as estradas de penetração (Mogiana, Ituana, Sorocabana, Leopoldina, Oeste de Minas, etc.) que vieram a se interligar com estas, optaram pela bitola métrica.

Essa diversidade ocorreu principalmente no Sudeste e por coincidência, as três principais ferrovias de bitola larga eram aquelas que tinham os padrões técnicos mais elevados. Algumas estradas tiveram posteriormente a bitola alargada para adequação do tráfego onde a diversidade implicava em tremendas dificuldades operacionais, como na ligação SP-Rio e posteriormente na Estrada de Ferro Araraquara.

Exemplo de trecho de bitola dupla,
construído pela FEPASA na década de 80

O fato é que ainda no século XIX países como os Estados Unidos e diversos países europeus investiram na uniformização da bitola, pois viram nisso a chave para uma malha ferroviária abrangente e com menores custos. No início do século XX, a bitola universal de 1,435 m tornou-se padrão nesses países e em boa parte do mundo, o que consequentemente abaixa os custos em geral, especialmente de material rodante.

Muito tempo se passou e hoje ainda convivemos com essa realidade. Porém, a uniformização da bitola na totalidade da rede ferroviária nacional seria inviável, tanto em termos de custos quanto de logística.


Então, para ir de acordo com os atuais planos governamentais, que pretendem trazer novos operadores a trechos ferroviários pouco utilizados ou aumentar a integração /concorrência entre as ferrovias, é imperioso, para que se dê um passo inicial, que a bitola mista passe a ser adotada inicialmente nas linhas que hoje são apenas de bitola larga. Isso não aumentaria o raio de ação da bitola larga, mas passaria a integrar totalmente o país (em termos ferroviários) através da bitola métrica.

Considerando-se que a bitola larga é utilizada na região Sudeste e que a Ferrovia Norte-Sul vem sendo construída também em bitola larga, a adoção de um terceiro trilho nesses trechos fará com que não haja mais descontinuidade entre as ferrovias do sul e do nordeste (e também em grande parte do sudeste).

Por outro lado, há que se mudar a mentalidade das atuais operadoras, que abandonam trechos, pois preferem manter apenas uns poucos trechos onde grandes trens unitários lhes garantem a rentabilidade necessária. Preferem não investir, numa visão apenas financeira em detrimento de muitos outros interesses da nação. Apenas sugam o que já estava pronto realizando uma manutenção mínima. Já outras tratam as suas concessões como apenas uma engrenagem das empresas acionistas, apenas para transportar cargas produzidas por elas mesmas, deixando de oferecer transporte ferroviário a outros interessados. Mas tratam seus trechos como “zonas privilegiadas”, fazendo com que seus trens quase não saiam de sua malha nem deixando composições de outras operadoras trafegarem.

Enfim, se há uma solução imediata para aumentar o raio de ação das ferrovias e integrá-las nacionalmente, a um custo que não seja inviável em nossa opinião, é a adoção da bitola mista na rede de bitola larga, para começar. Mas aí o governo, Ministério dos Transportes, EPL, ANTT, DNIT & Cia. terão que demonstrar sua força para que as atuais operadoras passem a ser verdadeiras operadoras ferroviárias e não simples gestoras de trechos. Ou que se mude tudo. O privilégio de zona já deixou de existir desde o final do Império.

Paulo Roberto Filomeno

Portogente – 05/04/2013

Metrô de Salvador (BA): Jaques Wagner sanciona transferência


Aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa na terça-feira, a lei entra em vigor hoje.

O governador Jaques Wagner sancionou nesta quinta a lei 12.808/2013, que autoriza o Poder Executivo estadual a assumir o controle societário da Companhia de Transportes de Salvador (CTS), que controla o metrô e os trens do Subúrbio.

Aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa na terça-feira, a lei entra em vigor hoje, quando deve ser publicada no Diário Oficial do Estado, segundo a assessoria do Governo do Estado.
Além do governador, assinam o documento os secretários Otto Alencar (Infraestrutura), Rui Costa (Casa Civil) e Cícero Monteiro (Desenvolvimento Urbano). A lei é parte do processo jurídico de transferência do metrô do município de Salvador para o Governo do Estado.
A previsão é que o projeto tramite também na Câmara de Vereadores nos próximos 15 dias.
De acordo com o Governo do Estado, o edital de licitação para finalização da Linha 1 do metrô (com mais 5,6 km), apresentação do projeto de extensão dela até o bairro de Cajazeiras, construção da Linha 2 e operação de todo o sistema metroviário deve ser lançado no início de maio.
A obra será realizada por meio de uma Parceria Público Privada (PPP). Para execução, estão previstos investimentos de R$ 4,2 bilhões. Já o Executivo Municipal pretende lançar o edital de licitação para administração da Estação da Lapa ainda no primeiro semestre.
Correio – 26/04/2013

Comentário do SINFERP

Vamos ver se agora vai...

sábado, 27 de abril de 2013

Metrô reforça número de trens para a Estação Tancredo Neves (Recife – PE)


Nesta segunda, o terminal passa pela prova e fogo: o primeiro dia útil de funcionamento, com a expectativa de receber 64 mil passageiros.

Nesta segunda-feira, mais uma composição passa a fazer parte dos serviços do metrô do Recife na Estação Tancredo Neves, na Imbiribeira, na zona sul do Recife. De acordo com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). O reforço deve melhorar o atendimento aos usuários que utilizam o novo terminal integrado, que começou a funcionar no sábado passado.

No mês passado, outros dois novos trens entraram em operação no sistema. Nesta segunda, o terminal passa pela prova e fogo: o primeiro dia útil de funcionamento, com a expectativa de receber 64 mil passageiros.

O Tancredo Neves beneficia, principalmente, usuários do transporte público de passageiros dos bairros de Afogados, Vila do Sesi, URs-1, 2, 3, 4, 10 e 12, Córrego da Gameleira, Lagoa Encantada e Boa Viagem, no Recife e ainda Três Carneiros, Dois Carneiros, URs 5, 6, e 11, Jardim Monte Verde, Zumbi do Pacheco, Piedade e Candeias, em Jaboatão dos Guararapes.

O sistema promete reduzir em 10 minutos as viagens daquele ponto até o centro do Recife e retirar de circulação 816 viagens para o centro, aliviando o trânsito no percurso, além de garantir o pagamento de uma só passagem para a locomoção na Região Metropolitana do Recife (RMR).

O terminal operar com 25 linhas de ônibus e uma linha de metrô. São 196 ônibus e 2.109 viagens. Os passageiros contam com 16 linhas alimentadoras, que transportam os usuários do subúrbio para o terminal; uma linha circular atendendo os usuários de Boa Viagem; quatro linhas transversais, com ligações entre os bairros de Dois Irmãos, Ibura, Ipsep, Alto Dois Carneiros e UR-11, e outra linha interterminal, fazendo ligação entre os TIs do Aeroporto e Tancredo Neves.

No terminal, os usuários também têm uma linha perimetral que liga o TI Tancredo Neves ao TI Macaxeira e três linhas troncais - sendo uma do metrô - que levamos os passageiros do TI Tancredo Neves ao Centro da Cidade e ao Instituto de Medicina Integral (IMIP). Todas as 25 linhas operam com a tarifa de R$2,25 (A) e têm intervalos, nos dias úteis, que variam entre cinco e 20 minutos.

Diário de Pernambuco – 24/04/2013

Trem regional é aprovado na Serra (RS) e gera expectativa na região sul


A divulgação do resultado positivo do estudo de viabilidade técnica de implantação de um trem regional de passageiros entre Caxias do Sul e Bento Gonçalves aumenta a expectativa com relação à aprovação da instalação de um trem regional interligando Capão do Leão, Pelotas e Rio Grande/Cassino, na Zona Sul do Estado. O resultado do estudo de viabilidade técnica do trem regional do Sul será entregue pelo Laboratório de Transportes e Logística (Labtrans) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) ao ministro dos Transportes, César Borges, no dia 23 de maio. 

Orçado em R$ 156,1 milhões o projeto do Trem da Serra foi considerado viável pelo estudo elaborado pelo Labtrans/UFSC. A mesma instituição ficou responsável por apurar a viabilidade técnica, econômica e ambiental do trem regional do Sul. “Ao considerar viável o trem regional da Serra, o Ministério dos Transportes abre uma porta importante para a aprovação da implantação do trem também no trecho Capão do Leão, Pelotas e Rio Grande/Cassino, pois é muito grande a demanda de pessoas que circulam diariamente por estes municípios.” 

“Estamos otimistas com relação à aprovação do projeto e a expectativa é de que até o final deste ano já se possa ver aberto o processo de concessão do serviço”, comenta o deputado federal Fernando Marroni (PT), coordenador do Comitê em Defesa do trem regional, que reúne lideranças dos três municípios envolvidos. 

Trem da Serra 

O trecho entre Caxias do Sul e Bento Gonçalves totalizará 65 quilômetros e inclui paradas em Farroupilha, Carlos Barbosa e Garibaldi. O projeto prevê a utilização de veículos leves sobre trilhos (VLT) com capacidade para atingir até 120 quilômetros por hora. A ideia é aproveitar os trechos das antigas ferrovias de cargas e fazer as devidas adequações. O projeto deverá ser viabilizado através de Parceria Público Privada (PPP) ou por meio de concessão à iniciativa privada por período determinado. O projeto executivo deve ser contratado ainda em 2013. 

Diário Popular  -  25/04/2013

Itália terá novo trem de alta velocidade este ano


No final do ano, o Gruppo Ferrovie dello Stato Italiane (Trenitalia) vai colocar um novo trem de alta velocidade Frecciarossa em operação na linha entre Nápoles e Turim, passando por Roma, Florença, Bologna e Milão, na Itália.

“Trata-se do Frecciarossa 1000, que poderá atingir até 400 km/h e fará, por exemplo, Roma a Milão em 2h20”, disse Luis Martinez, do GSA da Trenitalia.

“Design, tecnologia e serviços, além da velocidade, são as características desse super trem”, destacou Martinez. “Entre outras facilidades, o trem tem até uma sala de reuniões”, emendou ele.

Atualmente o Frecciarossa tem 84 saídas diárias, com velocidade máxima de 300 km/h. “Tanto o atual como o novo têm quatro classes: executiva, business, premium e standard.”

Panrotas – 26/04/2013

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Plinio Assmann recebe honraria da Ordem do Mérito Cruz do Anhembi


Na última quinta-feira (25/04), a Câmara Municipal de São Paulo e a Sociedade Amigos da Cidade promoveram, no Salão Nobre da Câmara Municipal, a Sessão Solene de Homenagem aos Construtores da Grandeza de São Paulo. 

Pela contribuição ao progresso de São Paulo à frente de tantos órgãos e serviços como Secretaria de Transportes do Estado, Metrô, Cosipa, Fepasa, Dersa, ANTP entre outros, o engenheiro Plinio Assmann foi agraciado com a honraria da Ordem do Mérito Cruz do Anhembi. 

A ABIFER congratula Assmann pelo merecido reconhecimento. 

ABIFER -  26/04/2013

Comentário do SINFERP

Nós do SINFERP também congratulamos Plínio Assmann pela merecida honraria.

Uma odisseia nos trens do Rio


Peça de teatro faz adaptação do cotidiano do carioca à história grega.
Rio -  Um lugar de rotina dos cariocas, as plataformas e os trens que circulam no ramal Saracuruna foram transformados em palco para o espetáculo ‘In-Trânsito Odisseias Urbanas’. Apresentada neste domingo pelo grupo teatral Cia. Marginal, a peça chamou a atenção dos usuários dos trens da Supervia.
Inspirado no épico livro "A Odisseia", do escritor grego Homero, o espetáculo propõe adaptar o cotidiano da população que vai e volta para o trabalho de trem às façanhas do herói Ulisses.
As diretoras da peça Isabel Penoni e Joana Levi explicam que pretendem provocar um novo olhar sobre o entorno no trajeto para casa. “Nós fazemos longas viagens todos os dias e não reparamos ao que está a nossa volta”, explicou.
O norte-americano Harold Emert assistiu a peça e contou que não imaginava encontrar um evento como esse no Rio. “Sou de Nova York. Isso é muito comum lá, mas aqui é novo. Chamei meus amigos para assistir”, falou.

A encenação é feita por sete atores que interagem com o público. O espetáculo começa e termina na Central do Brasil, passando pelas estações Bonsucesso, Triagem, Manguinhos e São Cristóvão.
A peça será apresentada aos sábados e domingos, às 15h, e segundas, às 14h, até 13 de maio. O espetáculo tem duração de 2 horas. A performance é gratuita, mediante a compra do bilhete de viagem.
O Dia - 21/04/2012

Obras do monotrilho interditam faixas da Av. Washington Luís, em SP


Bloqueio acontece na Zona Sul de São Paulo e deve durar dois meses. Via terá três faixas livres em cada sentido durante o período.

Duas faixas do sentido bairro da Avenida Washington Luís, em São Paulo, ficarão interditadas a partir das 16h deste sábado (27) devido a obras da linha 17-Ouro do Metrô (monotrilho), segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A interdição acontece entre a Rua Padre Leonardo e a Rua Vapabuçu, na Zona Sul da cidade, e deve durar cerca de 60 dias.

Para equilibrar o número de faixas na via, a barreira divisora será colocada em uma faixa no centro da avenida. Dessa forma, haverá três faixas livres em cada sentido. Durante o período, a CET vai monitorar a interdição e orientar o tráfego no local.

Veja todas as alterações no sistema viário da região:

- Interdição da Rua Brás de Arzão no trecho entre a Avenida Washington Luís e Rua Padre Leonardo;
- Rua Tamoios terá sentido único de circulação da Avenida Washington Luís para a Rua Sebastião Paes, e sentido duplo de circulação até a Rua Estevão Baião;
- Rua Tapes será bloqueada ao trânsito de veículos entre a Rua Estevão Baião e Avenida Washington Luís, liberado apenas o acesso local.

Trajetos alternativos

Sentido bairro:
- Os veículos vindos da Avenida 23 de Maio, sentido bairro, poderão acessar a Avenida Ibirapuera à direita, Avenida Verereador José Diniz em frente, Rua Moraes de Barros à direita, Rua Princesa Isabel à esquerda, Avenida Jornalista Roberto Marinho à esquerda, Praça José Blota Júnior à direita, acessando a Avenida Washington Luís à direita.

- Os veículos vindos da Avenida Rubem Berta, sentido bairro, poderão tomar o acesso para a Avenida Indianópolis à direita, Avenida Indianópolis à esquerda, Avenida Jabaquara à direita, Avenida Pedro Bueno à direita, Avenida João Pedro Cardoso à direita, Avenida Doutor Lino de Moraes Leme à esquerda,  Avenida Jornalista Roberto Marinho à direita, Praça José Blota Júnior à esquerda, acessando a Avenida Washington Luís.

- Os veículos vindos da Avenida Moreira Guimarães, sentido bairro, poderão entrar à direita na Avenida Iraí, à esquerda na Alameda dos Maracatins, seguir em frente pela Rua Antônio de Macedo Soares, à esquerda na Avenida Jornalista Roberto Marinho, à direita na Praça José Blota Júnior e à direita na Avenida Washington Luís, voltando ao caminho original.

- Os veículos vindos da Avenida Washington Luís, sentido bairro, poderão entrar à direita na Rua Otávio Tarquínio de Sousa, à esquerda na Rua Zacarías de Góes, à esquerda na Avenida Jornalista Roberto Marinho, à direita na Praça José Blota Júnior e à direita na Avenida Washington Luís, voltando ao caminho original.

Sentido Centro:

- Os veículos vindos da Avenida Washington Luís, sentido Centro, poderão optar por entrar no acesso para a Avenida Jornalista Roberto Marinho à direita, Avenida Jornalista Roberto Marinho à direita, contorno à esquerda próximo à Avenida Doutor Lino de Moraes Leme, Rua Alsácia à direita, Rua Ipiranga à direita, Avenida Doutor Lino de Morais Leme à direita, Rua Myron Clark à esquerda, Avenida João de Lery à esquerda, Avenida João Pedro Cardoso à direita, Avenida Pedro Bueno à esquerda, Avenida Jabaquara à esquerda, Avenida Irerê à esquerda, Alameda dos Ibiatans à direita, Avenida Indianópolis à esquerda, acesso para a Avenida Ruben Berta à direita, retornando ao caminho original.

G1 – 25/04/2013

A assembleia na estação Brás


A assembleia informativa, realizada ontem à noite (25/04) em frente à estação Brás, com participação conjunta de ferroviários e dirigentes dos sindicatos da Central e Sorocabana, teve por finalidade expor histórico resumido da negociação ACT2013/14 em curso, além de análises de cenário, expectativas e perspectivas.

Nessa medida, e pela ausência de informações novas de parte da CPTM, de relevante foi o anúncio claro, dos dois sindicatos, de que aguardarão um pouco mais antes de tomarem ações que julguem cabíveis, diante do que parece ser o encerramento unilateral da empresa das negociações com a Central, e da indisposição para abrir negociação com a Sorocabana.

Ferroviários e dirigentes presentes, entretanto, não deixaram de lamentar o número reduzido de participantes. É importante lembrar a todos que a busca de informações, encaminhamento de propostas e sugestões, manifestação de indignações e mesmo demonstrações de bravatismos acalorados, mas pelas redes sociais, não pesam e não têm valor sobre o poder decisório.

Dois representantes da CPTM acompanharam toda a assembleia, e estavam lá justamente para avaliar o grau de interesse e participação da categoria.

A próxima assembleia conjunta ficou agendada para:

6 de maio (segunda-feira)
19 horas
Em frente à estação Osasco.

Representantes da CPTM estarão lá. Dirigentes da Sorocabana e Central estarão lá. Usuários da CPTM estarão lá.

E você?

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Passageiro morre após cair em trilhos do metrô em SP


Segundo o Metrô, a Linha 3-Vermelha ficou sobrecarregada das 9h37 até as 10h19.

Um homem não identificado morreu na manhã desta quinta-feira após cair nos trilhos na Estação Palmeiras-Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Segundo o Metrô, a Linha 3-Vermelha ficou sobrecarregada das 9h37 até as 10h19, quando o corpo foi retirado.
A perícia foi chamada ao local para analisar as causas do acidente e o resgate retirou a vítima dos trilhos, mas o homem já estava sem vida. A operação do Metrô não foi paralisada e ficou reduzida durante o trabalho de remoção do corpo e normalização da energia elétrica.
Terra – 25/04/2013


Comentário do SINFERP

Pois é, pois é... Esse negócio de deixar o povo feito gado, aglomerado em plataforma, de frente para o perigo, não pode dar em outra coisa. Ou não foi isso?

Poluição na Região Metropolitana de São Paulo, por ozônio na capital, é a pior da década


Em 98 dias do ano passado, taxa do poluente na Grande São Paulo ficou acima do aceitável.

A poluição por ozônio bateu recorde na Região Metropolitana de São Paulo no ano passado. O paulistano ficou mais de três meses – ou exatos 98 dias – respirando o poluente em níveis inadequados, acima do padrão diário de 150 microgramas por metro cúbico. É o pior índice dos últimos dez anos. Os dados são do relatório anual de qualidade do ar da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

Durante a maior parte do tempo do ano passado (54,1%), a poluição por ozônio ficou entre regular, inadequada e má. Entre as 19 estações de medição desse tipo de poluente, a do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, e a de São Caetano do Sul, no ABC Paulista, foram as que apresentaram mais dias em estado de atenção: 17 cada.
“Quem tem problemas como asma, rinite ou enfisema sofre mais. Mas a poluição também pode desencadear inflamações graves a longo prazo”, afirma o pneumologista Clystenes Soares, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “E o ozônio é especialmente perigoso em dias ensolarados.”
A Cetesb faz a ressalva de que a rede de monitoramento cresceu ao longo dos anos – eram apenas 12 estações em 2003. 
O Estado de São Paulo – Nataly Costa - 22/04/2013

Metrofor (Fortaleza – CE) tem investimento previsto de R$ 91 mi neste ano


O Governo Federal deverá aportar na obra do metrô da Capital, em 2013, um montante de R$ 76,9 milhões.

Com previsão de término das primeiras 18 estações no próximo mês, a Linha Sul do Metrô de Fortaleza, que liga Pacatuba ao Centro da Capital, tem previstos R$ 91,3 milhões em recursos a serem aplicados neste ano de 2013. Além destes, uma suplementação de R$ 190,2 milhões deverá ser licitada ainda este ano, sendo que o funcionamento assistido da linha não dependerá destes recursos, conforme garante a Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor).

O Governo Federal deverá aportar na obra, em 2013, um montante já garantido de R$ 76,9 milhões, e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), outros R$ 14,3 milhões, totalizando os R$ 91,3 milhões programados.

"O Governo do Estado, já aportou todos os Recursos previstos em convênio até 31 de dezembro de 2010, faltando apenas o aporte de Recursos do financiamento com o BNDES", afirma o Relatório da Administração do Metrofor, que apresenta as demonstrações contábeis da companhia.

Destino dos recursos

De acordo com a assessoria de imprensa do Metrofor, estes recursos serão utilizados nas seguintes ações: obras civis para conclusão do trecho subterrâneo; sistemas fixos, como energia catenária (distribuição e alimentação elétrica da ferrovia), oficina, ventilação dos túneis e subestação da estação de São Benedito (localizada no Centro, na Avenida Tristão Gonçalves com Rua Clarindo de Queiroz) e do Centro de Controle Operacional (CCO); obras de emboque do túnel e sistema de irrigação das estações de passageiros.

Complementação

Os recursos complementares para o Metrô de Fortaleza já foram solicitados ao Ministério das Cidades. Serão R$ 148,4 milhões provenientes da União e os R$ 41,7 milhões restantes de contrapartida do Estado, totalizando os R$ 190,2 milhões.

Estes recursos são destinados aos sistemas de sinalização, telecomunicações e parte da oficina, necessários para a operação comercial da linha, mas não ainda à assistida. "A suplementação deve ser licitada este ano, sendo que o funcionamento da Linha não fica comprometido", explicou o Metrofor, por meio de sua assessoria de imprensa.

No ano passado, o governo federal liberou R$ 16,9 milhões para a linha, valor aplicado no pagamento de despesas com obras civis, sistemas fixos, gerenciamento, supervisão de obras civis, de material rodante e sistemas fixos. O governo estadual liberou, no período, outros R$ 2,2 milhões para obras complementares na Rua Ouro Branco, contorno rodoviário próximo ao centro de manutenção e sistema de drenagem, de corrente de fuga. Já o BNDES aplicou mais R$ 18,0 milhões em obras civis, remoções de interferências, desapropriações e aluguéis necessários à implantação do projeto.

Investimentos e prejuízos

Os investimentos totais do Metrofor (todas as linhas, além dos metrôs do Cariri e de Sobral), em 2012, foram de R$ 190,3 milhões, valor inferior ao de 2011, quando foram aportados R$ 246,5 milhões. A Companhia, neste período, também duplicou o prejuízo anual, passando de R$ 20,4 milhões em 2011 para R$ 42,4 milhões em 2012.

Cariri e Sobral

A companhia, que é responsável também pelos metrôs do Cariri e de Sobral, informa, em seu relatório de administração, que, neste primeiro, foram transportados 265,5 mil passageiros no ano passado, gerando uma média de mil passageiros por dia. "Com relação ao Metrô de Sobral estamos dando continuidade na execução das obras civis e na fabricação dos VLT´s, com data de implantação prevista para meados de 2013", diz o documento.

O Metrô de Sobral contará com investimentos de R$ 91,9 milhões, sendo R$ 21,7 milhões oriundos do governo federal e R$ 70,2 milhões do Governo do Estado. O sistema irá contar com cinco VLTs, fazendo um trajeto de 13,1 quilômetros de via, através de 11 estações.

Operação assistida de toda Linha Sul em julho

A operação assistida de todo o trecho da Linha Sul do Metrô de Fortaleza, isto é, a fase de testes do equipamento, deverá ser iniciada em julho próximo. A operação comercial, entretanto, não possui data definida para início, mas projeta-se que esta fase ocorra no 2º semestre desse ano.

No momento, o metrô funciona em operação assistida das estações Carlito Benevides (antiga Vila das Flores, em Pacatuba) à São Benedito, com cinco TUE´s (Trem Unidade Elétrica), somente das 8h às 12h, com transporte gratuito de passageiros. Até maio, serão finalizadas as obras das estações José de Alencar (na praça de mesmo nome) e Chico da Silva (na Praça da Estação).

A partir de julho, começará a operação, também assistida, até a Chico da Silva, completando todo o trajeto. A operação comercial, quando começarão a ser cobradas passagens e com funcionamento durante todo o dia, ainda está indefinida.

Para isso, serão necessárias as intervenções a serem realizadas com os recursos complementarem ainda a serem licitados.

As duas outras estações que foram incluídas posteriormente, a Juscelino Kubitschek (depois da Parangaba) e Padre Cícero (depois de Porangabuçu), continuarão em obras, que avançam em 30%, atualmente.

A Linha Sul percorrerá, em todo seu trajeto, uma distância de 24,1 quilômetros.

Bilhetes

O valor do bilhete que será cobrado aos passageiros do Metrô de Fortaleza ainda não está fechado. A previsão, apontada pelo Metrofor, é implantar, neste ano, a Bilhetagem Eletrônica e a Integração do Transporte Público, contemplando a integração do metrô com os demais modais de transportes públicos da RMF. No momento, os editais de bilhetagem estão em análise pela equipe técnica da Prefeitura.

Linha Oeste

A Linha Oeste, formada pelos trens que levam de Caucaia ao Centro da cidade, já teve sua remodelação concluída, no valor total de R$ 125 milhões.

Deste valor, entretanto, ainda estão sendo pagos Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) novos adquiridos para a via.

A Linha Oeste transportou 3,3 milhões de passageiros em 2012, perfazendo uma média aproximada de 15 mil passageiros por dia útil, número que, de acordo com a diretoria do Metrô, representa um equilíbrio em relação ao ano anterior.

Diário do Nordeste – Sérgio de Souza – 25/04/2013