domingo, 31 de março de 2013

Recife (PE) testa trens que irão funcionar a partir da Copa das Confederações


Vagões têm equipamentos modernos e comportarão 1.200 passageiros. Após aprovados, trens vão integrar a linha Recife-Cajueiro.

Estão em fase de teste dois novos trens que vão reforçar o transporte do metrô do Recife para a Copa das Confederações deste ano e na Copa do Mundo, em 2014.

Os trens, de última geração, têm capacidade para 1.200 passageiros, e são equipados com ar-condicionado, GPS, monitores, câmeras de segurança, rampa e espaço exclusivo para cadeirantes. Depois de aprovados, eles vão funcionar na linha Recife-Cajueiro.

Outros treze trens, desse mesmo modelo, devem ser liberados para o uso do público até dezembro deste ano.

G1 – 28/03/2013

Metrô SP teve prejuízo de R$ 34,79 milhões em 2012, aumento de 41,6% sobre 2011


Número de passageiros transportados aumentou 1% e somou 1,098 bilhão de pessoas.

SÃO PAULO - A Companhia do Metropolitano de São Paulo, o Metrô, registrou prejuízo líquido de R$ 34,79 milhões no ano passado, alta de 41,6% sobre o prejuízo de R$ 24,57 milhões de 2011, de acordo com o balanço da empresa publicado hoje no "Diário Oficial" do Estado de São Paulo. A empresa do governo paulista relatou uma receita operacional de R$ 1,637 bilhão no ano passado, ante faturamento de R$ 1,499 bilhão no anterior.

O balanço mostra ainda que as composições percorreram 21,64 milhões de quilômetros durante o ano passado nas quatro linhas do Metrô, alta de apenas 0,58% ante 2011. Já o número de passageiros transportados aumentou 1% entre os períodos, para 1,098 bilhão de pessoas. O balanço considera apenas as linhas operadas pelo governo - azul, vermelha, verde e lilás - com um total de 65,3 quilômetros e 150 composições.

Os trens das duas maiores linhas, a azul e a vermelha, percorreram menos quilômetros e transportaram menos passageiros em 2012 em relação ao ano de 2011. As composições da linha vermelha rodaram 8,534 milhões de quilômetros e transportaram 423,29 milhões de passageiros em 2012, ante 8,593 milhões de quilômetros e 427,12 milhões de passageiros no ano anterior.

Ainda no ano passado, 417,72 milhões de passageiros foram transportados na linha azul, ante 433,54 milhões em 2011, e as composições rodaram 7,29 milhões de quilômetros em 2012, contra 7,34 milhões no ano anterior. O crescimento no total rodado e no número de passageiros transportados ocorreu por conta do aumento do movimento das linhas verde e lilás.

EMTU

Já a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S/A (EMTU), controlada também pelo governo paulista, relatou prejuízo de R$ 4,636 milhões no ano passado, queda de 35,7% ante o prejuízo de R$ 7,209 milhões em 2011. A EMTU realiza o transporte intermunicipal em 800 linhas de ônibus de 67 municípios paulistas.

Agência  Estado – Gustavo Porto - 26/03/2013

sábado, 30 de março de 2013

Um programa imperdível do Conselho Sindical Regional da Baixada Santista, Litoral Sul e Vale da Ribeira (SP)


O Presente Programa CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL é mais uma iniciativa do Conselho Sindical Regional da Baixada Santista, Litoral Sul e Vale do Ribeira que vem contando com a parceria do Ver. Evaldo Stanislau Affonso (PT-Santos), responsável pela criação e presidência da Comissão Especial de Vereadores (CEV) do Município de Santos.

Tendo como objetivo a inserção dos Trabalhadores e da Sociedade Civil Organizada nos temas sociais que afetam diretamente o cotidiano social e econômico da população santista e região.

Neste sentido estaremos abordando os seguintes temas: PAC, Pré-Sal, Saúde, Educação, Emprego, Mobilidade Urbana (Transporte Público), Habitabilidade e Turismo.

Para atingirmos os nossos objetivos cada tema terá o seguinte formato de desenvolvimento:

Exposição Técnica realizada por especialista no tema,
Oficinas de debates e elaboração de propostas e
Plenária final: Objetivando a elaboração de um documento por tema debatido
A construção de um resultado final que expresse a importância e o peso da população santista e regional dependerá da efetiva participação dos Sindicatos de Trabalhadores, dos Movimentos Sociais, das Associações de Bairros e da População Organizada em geral.

Contamos com a sua participação em 03/04

Tema: O PAC para Santos, Baixada Santista e Vale do Ribeira

sexta-feira, 29 de março de 2013

Aumenta presença de turistas brasileiros nos trens europeus


Empresa de trens europeus Rail Europe diz que a venda de passagens a brasileiros aumentou 8% em 2012
São Paulo, 29 mar (EFE).- A empresa franco-suíça Rail Europe, responsável pela venda de passagens de trem no velho continente, destacou que a demanda por seus serviços aumentou no último ano no mercado brasileiro, afirmou nesta sexta-feira uma fonte da empresa.
'O viajante brasileiro está mais maduro e não tem medo de usar um meio de transporte que não conhece', afirmou hoje à Agência Efe a gerente da Rail Europe na América do Sul, María Corinaldesi.
A venda de passagens em trens europeus comercializadas pela Rail Europe no Brasil aumentou 8% em 2012 e a participação do país sul-americano atingiu esta mesma porcentagem no lucro líquido da empresa, que foi recorde com 200 milhões de euros (US$ 256,5 milhões) no ano passado, segundo a companhia.
María considerou que a expansão no Brasil obedece 'uma combinação de fatores e o aumento do poder aquisitivo das pessoas', além dos laços culturais e familiares de muitos brasileiros com os países europeus.
'Os brasileiros também entenderam que o fato de viajar em trem não necessariamente tem que ser mais barato, pois são oferecidos serviços de luxo para que o cliente viaje com muito mais conforto do que em qualquer outro meio de transporte', afirmou.
No entanto, María disse que em termos do custo-benefício pode ser melhor se locomover dentro da Europa em trem do que em avião, pois a rede ferroviária chega diretamente aos centros das cidades, enquanto a maioria dos aeroportos está em lugares afastados.
'A evolução do trem como transporte imprescindível é uma realidade na Europa e com o aumento de brasileiros e latino-americanos nos trens europeus, com sua familiaridade com este transporte, eles podem no futuro exercer algum tipo de pressão para reativar este meio na América Latina', ressaltou a executiva.
O Brasil passou nos últimos três anos do oitavo para o quinto lugar na lista de consumidores de produtos e serviços da Rail Europe, atrás de Austrália, Coreia do Sul, Japão e Índia.
Segundo a gerente da Rail Europe para a América do Sul, em 2013 a empresa ampliará sua gama de serviços na região, mediante estratégias de marketing e alianças com outras companhias, além da facilidade para a compra na internet em moeda e idioma locais. EFE
Exame – 29/03/2013

Comentário do SINFERP

Brasileiro gosta de viajar de trem. Não viaja em seu próprio país pela mais completa inexistência deles.

TAV e Trem Regional: considerações



Planejar trens de alta velocidade –TAV, antes de trem regional de passageiros, é colocar a carroça na frente dos bois e, se governar é definir prioridades, entendo ser estas as prioridades no Brasil para o sistema ferroviário pela ordem;

1º Trens suburbanos e metrôs domésticos;

2º Ferroanel, com rodoanel integrado, com ligação Parelheiros-Itanhaém, para o caso de São Paulo;

3º Trens de passageiros regionais;
4º TAV.Com relação ao cenário mundial seria;


1º Integração Nacional;

2º Integração Sul Americana;

3º Integração com o Hemisfério Norte.
Trens de passageiros regionais são complementares ao futuro TAV, e não concorrentes, pois servem a cidades não contempladas, inclusive Campinas, com mais de 1,2 milhões de habitantes, e potencial maior do que o de alguns estados e de muitas capitais do Brasil. Portanto, comporta as duas opções.


Pelo proposto as mesmas composições atenderiam de imediato aos trens regionais planejados nas maiores cidades brasileiras - 150 km/h - utilizando alimentação elétrica existente em 3,0 kVcc, a curto prazo, já dando a diretriz do Plano Diretor quando fossem utilizadas no TAV, aí utilizando a tensão e corrente elétrica de 25 kVca, com velocidade max. de 250 km/h, uma vez que já foi determinado pela “Halcrow” velocidade média de 209km/h para o percurso Campinas- Rio previsto para após o ano de 2020, se não atrasar, como a maioria das obras do PAC. No longo prazo, este modelo é inédito no Brasil.


Para esclarecer; não se deve confundir os trens regionais de até 160 km/h com os que existiam antigamente no Brasil, que chegavam a no máximo aos 90 km/h por varias razões operacionais, e o fato de trens regionais e TAV serem de operações distintas não justifica que não tenham que se integrar, sendo que, para a estação em SP, o local sairá em locais paralelos à CPTM entre Mooca e Barra Funda, podendo ser criada a estação Nova Luz, no lado oposto em que se encontra com a Júlio Prestes.

No mínimo três das montadoras instaladas no Brasil, além da Embraer, têm tecnologia para fornecimento nesta configuração, inclusive os pendulares Acela e Pendolino, que possuem uma tecnologia de compensação de suspenção, que permite trafegar em curvas mais fechadas com altíssima porcentagem de nacionalização.


Fala-se de integração ferroviária Sul Americana, e as principais economias após o Brasil são a Argentina, e Chile, e ambos, possuem a bitola de 1,67 m (Indiana),sendo que só a Argentina possui mais de 23 mil km, o que corresponde, a 4 vezes mais km do que a correspondente brasileira, e quilometragem praticamente igual em métrica. Em consulta a técnicos argentinos e chilenos, os mesmos informaram ser infundadas as informações de que circulam no Brasil, que que está sendo substituída por 1,43m, e que se um dia esta integração ocorrer, ela será feita com a métrica, como existentes em outros países como Bolívia e Colômbia, além dos mencionados, tratando-se, portanto, de premissas equivocadamente plantadas.

Quanto ao TAV, hum, este não sei não.

Teve um ex-ministro de nome Bernardo, que no início do ano de 2011 deu a seguinte declaração à mídia; ”Trens regionais de passageiros poderão trafegar nas futuras linhas exclusivas do TAV”.

Ufa, até que enfim! Esta era uma noticia que sempre esperei ouvir, e que desde a década de 70 se fala dele. Agora a previsão é para após 2020, e poucas coisas estão definidas: estações, trajeto etc., e o modelo proposto é independente, bitola divergente dos trens regionais existentes de 1,6m, e não compatível para uso como trem regional, com vantagem de não necessitar de duplo rodeiro (Standard e Ibérico), necessário para quando adentra a Espanha, rumo a Portugal, e que trafega tanto como trem regional ou como TAV. Portanto, pode-se afirmar que, embora a intenção seja louvável, existe uma contradição entre o que se falou e o que esta sendo planejado. Além disto, as obras deste porte têm até data para começar, mas a sua conclusão, nem a futuróloga mãe Dinah consegue prever!

Luiz Carlos Leoni

quinta-feira, 28 de março de 2013

Transporte urbano pode ter mais cortes de impostos


De olho na inflação, o governo estuda fazer um corte de tributos mais amplo sobre o setor de transporte urbano de passageiros. As empresas, que já contam com a desoneração da folha salarial, poderão ser beneficiadas com a redução das contribuições ao Programa de Integração Social (PIS) e para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre o faturamento das empresas. A "bondade" pode vir condicionada à adoção do sistema de bilhete único. 

No início deste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, pediu aos prefeitos de São Paulo e do Rio de Janeiro para adiar o reajuste das passagens de janeiro para o segundo semestre. Buscou, com isso, um alívio nas pressões inflacionárias. A desoneração adicional, agora em estudo, vai na mesma direção e garante que o aumento das passagens, quando vier, será mais brando.

"A desoneração do transporte urbano faz todo sentido agora", disse uma fonte do Ministério da Fazenda ouvida pelo Grupo Estado. Ela avaliou que o momento é ideal, após a desoneração tributária da cesta básica. 

Uma das propostas em análise pela Fazenda é aproveitar o Projeto de Lei nº 310, que tramita na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal em caráter terminativo, ou seja, não precisa passar pelo plenário da Assembleia Legislativa. A proposta cria o Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano e Metropolitano de Passageiros, o Reitup. 

O projeto prevê a redução de tributos incidentes sobre a prestação do serviço e também na aquisição de insumos, como óleo diesel, gás veicular, combustíveis renováveis e não poluentes, chassis, carrocerias, veículos, pneus e câmaras de ar, desde que utilizados diretamente na prestação dos serviços. 

Contrapartida 

A novidade da proposta é que a desoneração tem contrapartida de empresas beneficiadas pela isenção, o que não ocorreu até agora. A medida está condicionada à implantação de regime de bilhete único ou de sistema de transporte integrado. 

Caso a empresa beneficiária não satisfaça qualquer das condições e requisitos para a inclusão no Reitup por um período de seis meses, ficará obrigada a recolher os tributos correspondentes. Estados e municípios podem aderir ao regime, por meio da assinatura de um convênio, com a redução ou a isenção dos tributos de sua competência: o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e Imposto sobre Serviços (ISS). As empresas de ônibus, micro-ônibus, metrô, trem metropolitano e trólebus poderão se beneficiar do regime. 

Segundo um dos autores do projeto, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), a criação do regime poderá reduzir em 20% a 25% a tarifa. Ele destacou que há um diálogo positivo com o governo para a aprovação da proposta na CAE. Se houver mudanças na proposta na CAE, acrescentou, o projeto retorna para a Câmara para uma última votação em comissão especial. 

Segundo o presidente da Confederação Nacional de Transporte (CNT), senador Clésio Andrade (PMDB-MG), o governo sinalizou com a desoneração do PIS e da Cofins e há grande chance de aprovação do projeto que cria o regime especial. Na sua avaliação, a medida é fundamental para o setor. 

O projeto que cria o regime especial também estipula redução a zero da alíquota da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidente sobre a aquisição de óleo diesel a ser utilizado na prestação dos serviços de transporte coletivo público urbano e metropolitano. Porém, a Cide já está zerada. 

O texto também propõe a mesma condição tributária para a energia elétrica utilizada na alimentação, tração e funcionamento de metrôs, trens metropolitanos e trólebus, na operação dos centros de controle e das estações, e na iluminação de terminais e abrigos de passageiros. 

Vetos 

Na próxima semana, a CNT deve se reunir com o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, para discutir a Medida Provisória 582, aprovada pelo Congresso e que ampliou a lista dos setores desonerados na folha de pagamentos. "O Congresso extrapolou no número de setores que foram incluídos e o governo deve vetar", disse Clésio Andrade. 

Segundo o senador, a área econômica informou que a presidente Dilma vai vetar a desoneração da folha, incluída na MP, para transporte aquaviário, transporte rodoviário de carga e ferroviário de longa distância. O Ministério da Fazenda estuda, contudo, uma alternativa para beneficiar esses setores.

O Estado de S. Paulo -  28/03/2013

Metrô de São Paulo organiza roteiro turístico árabe neste sábado


O Turismetrô, programa de roteiros turísticos organizado pela São Paulo Turismo (SPTuris), empresa de turismo da cidade de São Paulo, organiza neste sábado (30) um roteiro especial inspirado na cultura árabe. 

O passeio, que parte às 9h da estação Sé do metrô, é uma homenagem ao Dia da Comunidade Árabe, comemorado em São Paulo em 25 de março. 

Com cerca de três horas de duração, o roteiro irá mostrar aspectos da história e da cultura árabes presentes em São Paulo. O itinerário inclui tradicionais pontos de comércio e gastronomia, como as ruas Basílio Jafet e Abdo Schahin, centros religiosos, como a Catedral Metropolitana Ortodoxa, e atrativos como o monumento Mohamed 5º, doado à cidade em 1989 pela Embaixada do Reino do Marrocos, entre outras atrações. 

Para participar, os interessados devem comparecer ao balcão do Turismetrô localizado na estação Sé e comprar bilhetes do metrô para ida e volta (R$ 3 cada). Não são feitos agendamentos, por isso é recomendável chegar com 30 minutos de antecedência. 

Criado em 2006, o Turismetrô é um projeto que usa o metrô como meio de transporte em passeios temáticos pela cidade. Os roteiros, que já atraíram mais de 50 mil pessoas, têm o acompanhamento de guias formados em Turismo e podem ser realizados também em inglês e espanhol. 

Atualmente o projeto conta com seis roteiros regulares: Sé, República, Luz, Paulista, Liberdade e Niemeyer, este último lançado em fevereiro. 

Mais informações podem ser acessadas pelo site
www.cidadedesaopaulo.com/turismetro. 

Folha.com -: 27/03/2013

Comentário do SINFERP

Bem, a CPTM poderia... Ah, deixa prá lá. 

quarta-feira, 27 de março de 2013

Participe do próximo encontro da Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista


Nosso sindicato recebeu convite para participar do próximo encontro da Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista, e confirmou presença, a exemplo do que fez em todos os encontros anteriores.

Com o objetivo de ampliar a divulgação do evento, estamos compartilhando a informação com os leitores e amigos do São Paulo TREM Jeito.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO
FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA MALHA FERROVIÁRIA PAULISTA
“Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista”

Temos a imensa satisfação de convidá-lo para o debate sobre o tema: TRAJETO DA NORTE-SUL EM SÃO PAULO, com a presença do Senhor Diretor de Operações da VALEC - Engenharia, Construções e Ferrovias S.A., Bento José de Lima.

Contamos com sua presença e apoio, dada a relevância do tema, para debater o assunto e buscar soluções que ajudem na retomada do crescimento da malha ferroviária paulista.

Data: 18/04/2013 - quinta-feira
Local: Assembleia Legislativa de São Paulo - Plenário José Bonifácio
Horário: 10h00

Deputado Mauro Bragato
Coordenador da Frente Parlamentar
Favor confirmar presença pelo email: mbragato@al.sp.gov.br
ou pelo telefone (11) 3886-6400 com Rodrigo

Editorial: Faltam trilhos no sistema de mobilidade urbana (no Rio de Janeiro?)


O Rio tem enfrentado algumas de suas demandas na área de mobilidade urbana com fortes investimentos em transportes de alta capacidade. Caso dos BRTs e da modernização do sistema viário, com a ampliação de vias em evidente processo de saturação e a construção de corredores alternativos. São intervenções necessárias. 

Mas, numa região (capital e municípios do entorno metropolitano) em que o transporte tem grandes e crônicos contenciosos, em razão da inexistência de uma sólida política para o setor, é fator de preocupação constatar que os investimentos no sistema de trilhos (trens e metrô) não acompanham as carências da região. 

Essa despreocupação também se estende ao aperfeiçoamento da malha (metrolização da ferrovia) e sua integração a um programa mais amplo de transportes que leve em conta a realidade presente e as projeções para o futuro de bairros cidades da região metropolitana. 

Quase 15 anos depois de ter sido dada em concessão à iniciativa privada, a rede ferroviária que atende ao subúrbio do Rio e à região metropolitana permanece em crise. Pior, o serviço encolheu: em 1975, os trens transportavam mais de um milhão de pessoas por dia; hoje, a média está em pouco mais de 500 mil, embora já tenha sido mais baixo. 

O quadro não é muito melhor no metrô, claramente saturado, que investe num crescimento de duvidosa eficácia. A extensão dos trilhos até a Barra da Tijuca segue o modelo do “puxadão”, uma opção, segundo especialistas, pelo agravamento da saturação. 

Uma saída óbvia, a metrolização, adotada com sucesso por países e cidades que lograram reduzir seus contenciosos em transportes de massa, sequer chega à agenda de discussões mais sérias. 

A série de reportagens sobre mobilidade urbana que O GLOBO publicou ao longo da semana expôs essas deficiências — às quais se junta, também, o subaproveitamento do potencial do sistema de transporte marítimo, inexplicável numa região cujos municípios compartilham a Baía de Guanabara. Tal descompasso se traduz em serviços de baixa qualidade, compromete os resultados globais de investimentos e joga uma sobra de preocupação sobre o futuro do Rio e adjacências. 

Inversões como as que estão sendo feitas no polo industrial de Itaguaí, por exemplo, se beneficiam a região, ao mesmo tempo podem estar ligando um relógio de problemas para as prefeituras do Rio e cidades vizinhas, em decorrência do previsível crescimento populacional daquela área, que agravará ainda mais as deficiências de corredores de trânsito e meios de transporte que sequer suportam a atual demanda. 

São questões que implicam estratégias suprapartidárias e decisões administrativas integradas, acima de interesses de governo, no plano de políticas de Estado.

O Globo - 24/03/2013

Metrô SP recebe dia 03 propostas para estações da Linha 17


A Companhia do Metropolitano de São Paulo receberá e abrirá as propostas para a execução das obras das estações da Linha 17-Ouro no dia 03 de abril, às 10h. A licitação contempla as obras, acabamento, comunicação visual, hidráulica e paisagismo de oito estações: Congonhas, Jardim Aeroporto, Brooklin Paulista, Vereador José Diniz, Água Espraiada, Vila Cordeiro, Chucri Zaidan e Morumbi/CPTM.

A primeira fase do monotrilho da Linha 17-Ouro terá 7,7 km de extensão, fazendo a ligação entre o Aeroporto de Congonhas à Estação Morumbi da Linha 9- Esmeralda da CPTM, e atenderá a um público estimado de quase 100 mil usuários por dia. As obras já estão em andamento.

No final de fevereiro, a MPE e a Scomi inauguraram a fábrica que produzirá os 24 monotrilhos que vão operar na linha.  Cada trem de monotrilho é composto por três carros e cada carro tem capacidade para transportar cerca de 150 pessoas.

A entrega e abertura das propostas  para as obras das estações serão no auditório térreo da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), na Rua Álvares Penteado, nº 151, Centro, São Paulo.

Revista Ferroviária – 27/03/2013

terça-feira, 26 de março de 2013

Estação Faria Lima da Linha 4-Amarela recebe exposição fotográfica


A ViaQuatro, concessionária responsável pela Linha 4-Amarela do metrô, escolheu a Estação Faria Lima para mais uma iniciativa cultural. Até 4 de abril, os usuários que passarem pela estação terão a oportunidade de conhecer a mostra de fotos “Quem Sou Eu?”, de autoria de Ana Alcântara, organizada em parceria com a Associação Morungaba. 

A exposição reúne 22 fotos que retratam os projetos educativos e culturais desenvolvidos em 2012 pela entidade, que atende crianças e jovens moradores da região de Pinheiros e alunos da rede Municipal de ensino do Butantã em programas de inclusão pela dança. 

Distribuídas em seis totens, as imagens traçam um panorama das ações de integração social e convivência na diversidade, revelando o encantamento, a alegria e confiança dos beneficiados pelos projetos.

O título “Quem Sou Eu?” escolhido para a exposição refere-se à descoberta das potencialidades do público atendido pelos programas, que incluem também pessoas com deficiência. 

Serviço: Exposição Fotográfica “Quem Sou Eu?” 
Data: 22 de março a 4 de abril. 
Local: Estação Faria Lima, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 948. 
Horário: período de funcionamento da estação.

Linha 4-Amarela -  26/03/2013

Comentário do SINFERP

Bem que a CPTM.... Ah, deixa prá lá.

VLT chega como solução de transporte em Bauru (SP)


Projeto já apresentado por companhia sugere modelo econômico com integração ao transporte coletivo

Do mesmo modo como se despediu da rotina da cidade, há 12 anos, como o BOM DIA recordou, na abertura desta série sobre a ferrovia, sábado passado, os trens de passageiros podem reaparecer na rotina do bauruense, de volta à antiga gare da estação central.

Desta vez, para servir à população na própria cidade, por VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), como este aí ao lado, que já parece estar pronto para receber seus futuros passageiros por aqui.

O projeto do futuro trem, aliás, já desembarcou na cidade, no ano passado, apresentado pela principal empresa nacional do setor, a Bom Sinal, com sede fabril em Fortaleza (Ceará). “Bauru é uma cidade privilegiada para esse produto porque já tem os trilhos disponíveis, o que economiza muito mais em sua implantação”, afirmou o diretor de suprimentos e comercial da empresa, o bauruense Ricardo Fanton. 

Custos

Mas, para entrar nos trilhos, o VLT demandaria um investimento razoável. De acordo com os cálculos da empresa, o quilômetro do sistema sairia entre R$ 3 milhões e R$ 12 milhões.

Entende-se por “sistema” o conjunto de operação - sinalização, passagens de nível, cancelas, centro operacional, oficina e material rodante. “O modelo ideal para Bauru, ao meu ver, seria o investimento público na via e nas oficinas e a concessão do serviço para a empresa que venha a adquirir os VLTs “, sugeriu Fanton.

Ele disse ter tido o último contato com a prefeitura para tratar sobre o assunto em novembro do ano passado. Desde então, aguardaria um pré-projeto para análise da demanda.

Subvenção

O prefeito Rodrigo Agostinho (PMDB) avaliou bem a possibilidade de Bauru vir a contar com o VLT, mas fez algumas ressalvas em relação às condições para operação e sobrevivência do serviço.

“Hoje não teríamos condições de tráfego em nossos trilhos. Não há segurança . E o VLT só consegue se manter se houver subvenção do governo do estado ou federal. Só com o dinheiro da passagem, não dá”, avaliou.

Mesmo assim, o setor produtivo da cidade vê com bons olhos a possibilidade de contar com o VLT como um esforço para diminuir o intenso tráfego de veículos da cidade. “É uma ideia que precisa estar integrada com o transporte coletivo urbano e que agregue mais qualidade”, afirmou o presidente da Acib (Associação Comercial e Industrial de Bauru), Reinaldo Cafeo.

Bauru teve ‘tentativa de subúrbio’ em 1988

A interligação de bairros por trilhos não é uma novidade em Bauru. Entre 1988 e 1990, a extinta Fepasa ofereceu o Trem de Subúrbio. A composição era formada por dois carros de passageiros e duas locomotivas elétricas. Fazia o trajeto entre a estação central e o núcleo Octávio Rasi, com algumas paradas. Mas, sem uma integração com os ônibus, acabou esquecido e desativado.

Milhões de reais é o valor médio de um VLT da Bom Sinal

Apenas um VLT tira dez ônibus das ruas

Com capacidade para até 766 passageiros, apenas um modelo com quatro carros seria suficiente para desafogar o trânsito de Bauru de dez ônibus ou mesmo 62 vans. Além disso, a versão elétrica – assim como a por biodiesel – desses veículos têm durabilidade de até 30 anos e manutenção quase que 100% de produtos feitos no Brasil.
Bom Dia – Rodrigo Viudes – 23/03/2013

Comentário do SINFERP

Oba! Será que é para valer?

segunda-feira, 25 de março de 2013

Dirigentes de três sindicatos de ferroviários estiveram reunidos hoje


Dirigentes dos sindicatos de ferroviários da Sorocabana, São Paulo e Central do Brasil estiveram reunidos hoje, visando discutir ações conjuntas, caso a CPTM não faça o depósito mínimo de 3.000 reais, a título de PPR, para cada ferroviário da empresa, até o final do mês em curso. 

Decisões foram tomadas por consenso, caso a CPTM não honre, na data, esse compromisso firmado com os ferroviários.

SP: problema técnico prejudica circulação de trens do Expresso Leste


Uma falha técnica complicou a vida dos passageiros que utilizavam o Expresso Leste, na Linha-11 Coral, na manhã desta segunda-feira, em São Paulo. Segundo informações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), o problema teve início às 6h50, no sentido Guaianazes.

Por causa da pane, a empresa chegou a acionar a SPTrans para que itinerários de ônibus fossem modificados, para evitar a sobrecarga de passageiros na estação Guaianazes. Por causa do problema da CPTM, algumas linhas de ônibus foram estendidas até a estação Corinthians-Itaquera.

O problema foi resolvido às 7h35 e, aos poucos, os trens voltaram a circular na velocidade normal. A CPTM não detalhou qual foi o motivo da falha no sistema.

Terra – 25/03/2013

Comentário do SINFERP

Está melhorando. Não detalha o motivo da falha no sistema, mas pelo menos não jogo algum bode espiatório para os leões. 

Idosa cai em vão de estação de trem no Rio de Janeiro e acusa concessionária de descaso


Supervia afirma que não negou socorro à idosa. 

Uma idosa de 66 anos caiu em um vão da estação de trem do Méier, na zona norte do Rio, na última segunda-feira (18). Segundo Míriam Rainho, ela quase foi arrastada pelo trem e a concessionária não a socorreu. 

Míriam teve ferimentos na perna e foi socorrida por dois passageiros que a levaram para o Hospital Municipal Salgado Filho, também na zona norte. Uma das passageiras que ajudou a idosa confirma a versão de Míriam. 

— Não falaram nada, não socorreram. Eles só anotaram o nosso nome e telefone em um papelzinho e foram embora. 

A idosa prestou queixa na delegacia que registrou o caso como lesão corporal culposa. Ela rebate a informação da Supervia de que teria recusado socorro da empresa e diz que vai entrar com uma ação contra a concessionária. 

Em nota, a Supervia informou que, além da prestação de socorro, a equipe de assistência social da concessionária tenta contato, sem sucesso, com a idosa desde o dia do acidente.
R7 – 21/03/2012
Comentário do SINFERP
A nota da SuperVia ainda tem a cara de pau de sugerir que a passageira é mentirosa. Tivesse prestado socorro, e saberia dizer quem, como, quando e onde.  Com ou sem socorro, a responsabilidade objetiva é da SuperVia. A falta de atendimento apenas adiciona a omissão de socorro. Empresas que servem a "periferia" (como SuperVia e CPTM) sempre contam que o usuário vai "deixar prá lá", e que podem abafar com visitinha de assistência social, a fim de levar "tapinha nas costas".

domingo, 24 de março de 2013

Ferroanel pode ser opção na região metropolitana de Belo Horizonte (MG)


A implantação de um contorno ferroviário pode servir de alternativa à mobilidade urbana na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ao apresentar a proposta do Ferroanel na abertura da reunião extraordinária da Assembleia Metropolitana da RMBH, ontem, o governador Antonio Anastasia destacou que a iniciativa privada demonstrou interesse em um novo projeto de viabilidade técnica, econômica e ambiental para a obra. Ele informou ainda que a MRS Logística, uma das empresas que detêm a concessão de linhas, anunciou que em breve começará os estudos. 

A liberação dos trilhos que hoje servem para o transporte de cargas que circulam na Grande BH seria o primeiro passo para a implantação de um sistema de trens de passageiros. O mestre em engenharia de transportes Márcio Aguiar, professor da Universidade Fumec e defensor do transporte sobre trilhos nos grandes centros urbanos, aprova a proposta, mas se preocupa com os entraves financeiros. “Se não estão conseguindo implantar o Rodoanel, que tem custo entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões o quilômetro, o Ferroanel torna-se um desafio maior, já que cada quilômetro custa acima de R$ 30 milhões. Considero, porém, uma obra necessária para colocar fim ao colapso do sistema de transporte urbano”, afirmou.

Estado de Minas - 21/03/2013

Comentário do SINFERP

Pois é! Quando o SINFERP propõe a mesma medida na Grande São Paulo é ignorado pelo governo do Estado de São Paulo e desqualificado pelo diretor de planejamento da CPTM. Os benefícios são evidentes. No caso paulista por ampliar a oferta de trens metropolitanos a um número muito maior de usuários, permitir desenvolvimento urbano em centros hoje isolados, além de evitar que todas as transferências de passageiros sejam feitas sempre nos mesmos lugares.