sexta-feira, 22 de junho de 2012

Trem Caipira custa R$ 100 mil por quilômetro


Projeto do ex-prefeito Edinho, que fez apenas uma viagem até hoje, ganha nova destinação de verba. 

A Prefeitura de Rio Preto (SP)  vai gastar mais R$ 1 milhão no projeto Trem Caipira, iniciado em 2006, ainda na gestão de Edinho Araújo (PMDB). O trem, que deveria fazer o trajeto entre Rio Preto e o distrito de Engenheiro Schmitt, só entrou nos trilhos uma vez.

O projeto já custou cerca de R$ 1,1 milhão, maior parte do recurso repassado pelo Ministério do Turismo. Com o aumento de gastos o custo total vai passar de R$ 2 milhões. O montante significa que para cada quilômetro rodado pelo trem, o custo chegou a R$ 100 mil.

Na quinta-feira (21), a prefeitura abriu licitação para a reforma das estações em Rio Preto e em Schmitt, avaliada em R$ 1 milhão. O trajeto de ida e volta até Schmitt foi percorrido em 28 de dezembro de 2008 e tem cerca de 20 quilômetros. Desde então, o veículo está parado. São 1.261 dias completados nesta quinta.
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico e de Turismo,  Carlos de Arnaldo, a intenção é colocar o trem nos trilhos até o final do ano. No entanto, não há garantias para isso. Ou seja, o trem pode passar a gestão inteira de Valdomiro Lopes (PSB) parado.

“Esperamos iniciar a reforma em dois meses”, disse. A licitação aberta ontem, no entanto, prevê ainda pré-qualificação de empresas que vão poder participar de outra etapa da concorrência, que será iniciada em agosto.

Pela proposta, a reforma da estação ferroviária de Rio Preto vai custar R$ 731,2 mil. “Vamos reestruturar todo o local”, disse Carlos de Arnaldo. Já a reforma em Schmitt está avaliada em R$ 321 mil. Em ambos os locais serão construídas garagens para abrigar o trem. A “locomotiva” está encostada na garagem da prefeitura desde janeiro de 2009. Em outubro de 2010, a locomotiva ganhou a companhia de um vagão de 30 lugares, que faz parte do projeto e que foi direto para a garagem ao chegar a Rio Preto.

Silêncio /O projeto  foi desenvolvido com base em dois convênios com a prefeitura. O primeiro, de 2007, de R$ 780 mil, para comprar a locomotiva. O outro convênio, de R$ 850 mil, para a reformas das estações. Esse convênio termina em outubro. Procurado para falar do atraso, o governo federal não respondeu ao BOM DIA.

Veículos encostados recebem ‘cobertores’ e continuam na garagem da prefeitura

Chamado de veículo motriz, a locomotiva do Trem Caipira e mais um vagão receberam no início deste ano um “cobertor”. A lona foi colocada para evitar que os veículos ficassem expostos a chuva e poeira, como aconteceu no últimos três anos. O trem passa por manutenção mensalmente, de acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico e de Turismo, Carlos de Arnaldo. “Todo mês, os veículos são lavados”, afirmou.

Segundo o secretário, o trem, movido a diesel, também é ligado frequentemente. “Está funcionando. O veículo não tem problemas”, afirmou. O trem está na garagem desde janeiro de 2009. Na época, o veículo teve equipamento de GPS furtado. O valor do prejuízo ficou em R$ 15 mil.

Até para retirar o veículo da estação ferroviária de Rio Preto, em frente à rodoviária, a prefeitura teve despesa. Um guindaste foi alugado para colocar o trem em um caminhão que fez o transporte a um gasto de R$ 5 mil.

Passeio será apenas uma vez por mês 

Sem prazo para iniciar, o trajeto do Trem Caipira, entre Rio Preto e Schmitt só será feito uma vez por mês. A ALL, que explora a ferrovia, só autorizou o passeio um dia a cada mês. A prefeitura afirma que irá cobrar R$ 5 pelas passagens.

Família é retirada de estação em Schmitt 

Uma família que morava na estação ferroviária de Schmitt foi retirada do local, de acordo com informações da prefeitura. A família seria um dos empecilhos para o atraso  no projeto. Decisão da Justiça permitiu a retirada.

Diário de São Paulo – Vinícius Marques - 22/06/2012

Nenhum comentário: