terça-feira, 5 de junho de 2012

CPTM recebe investimento de R$ 57 mi, e critica planejamento urbano


A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) recebeu um investimento de R$ 57 milhões do governo do Estado de São Paulo para aquisição de 14 veículos de manutenção e prevenção, que serão utilizados em todas as linhas da rede. Uma das máquinas, o carro-controle, fará uma espécie de "ultrassom" nos trilhos e redes, detectando o problema antes de ele aparecer.
O anúncio do investimento foi feito em uma coletiva, realizada nesta terça-feira. De acordo com José Augusto Bissacot, diretor de engenharia da CPTM, esses problemas diminuirão significativamente, mas o planejamento urbano da cidade de São Paulo não ajuda o bom funcionamento dos trens. "O planejamento urbano não ajuda. Existem prédios subindo a todo momento em volta das estações e linhas de trem. A cidade cresce e a modernização da CPTM é constante e tem que tentar acompanhar. O processo nunca acaba. São obras atrás de obras. Temos etapas a serem cumpridas", afirmou Bissacot.
A maioria dos problemas acontece na Linha 9-Esmeralda da CPTM, a linha mais nova da companhia. Porém, Evaldo Ferreira, gerente geral de manutenção, afirmou que apesar da qualidade dos equipamentos, a demanda também é muito grande, prejudicando o funcionamento pleno das estações que competem a essa linha.
"Essa linha teve um crescimento surpreendente. Por isso tem um desgaste maior. Embora tenhamos feito o planejamento, ninguém esperava esse nível de entrada de usuários. Estamos melhorando para resolver esses problemas. Existem problemas característicos da linha. A linha está sobrecarregada isso exige muito mais do sistema. Estamos correndo contra o tempo para suportar o nível atual", afirmou Ferreira.
Quando questionado sobre em que momento as obras de modernização seriam encerradas, o gerente afirmou que as reformas serão constantes e permanentes: "A manutenção tem que ter investimento. Não adianta implantar um sistema e não ter ferramenta para fazer manutenção. É como o carro, tem vida útil. O investimento é na manutenção preventiva. Atuando forte nisso, a tendência é que as falhas diminuam. Com isso, o principal beneficiado é o usuário".
De acordo com a CPTM, esse investimento encerra a primeira fase de modernização do chamado parque das máquinas, que começou em 2006. Evaldo não entrou em detalhes sobre quando será iniciada a segunda fase da modernização, mas afirmou que até 2014, ano da Copa do Mundo no Brasil, muitas melhorias ainda serão feitas.

Terra – Thiago Tufano - 05/06/2012

Comentário do sindicato:

Mas que horror? Quer dizer que a cidade cresce e isso atrapalha a capacidade de planejamento da CPTM? O que esperavam? Que a cidade acompanhasse o nível devagar-quase-parando dos gestores da empresa? Cresce e vai crescer mais. Os atuais gestores da CPTM não aprenderam a máxima do futebol – “quem não faz, toma”. A manutenção está quase toda ela confiada a terceirizadas, por pessoas que não têm nenhuma tradição e identidade ferroviária. Não podem reclamar das linhas 8 e 9, pois herdaram do passado (FEPASA) uma situação privilegiada em comparação as demais, e que deixaram degringolar. Temos vídeo que demonstra o que estamos afirmando. Lados bons da notícia, entretanto: 1) os gestores falando pela empresa (cansamos de ver o secretário dos Transportes Metropolitanos nesse papel) e 2) finalmente reconhecendo problemas sistêmicos, coisa que nunca antes admitiram, preferindo transferir falhas e acidentes aos ferroviários, que usaram e abusaram com bodes expiatórios. Só resta esperar, agora, que não transfiram culpa para o crescimento da cidade.

Nenhum comentário: