terça-feira, 5 de junho de 2012

Consórcio erra cálculo de custos do VLT e obras devem sofrer atraso em Cuiabá (MT)


O consórcio formado pelas empresas Mendes Junior, Soares da Costa e Alstom impetrou um recurso, na tarde de ontem (4), junto à Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) apontando um suposto erro de R$ 341 milhões, para mais, nos valores apresentados pelo Consórcio VLT Cuiabá, o vencedor da licitação para construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na capital de Mato Grosso.

O consórcio VLT Cuiabá composto pelas empresas Santa Bárbara, CR-Almeida S/A Engenharia de Obras, CAF Brasil Indústria e Comércio, Magna Engenharia LTDA e Astep Engenharia LTDA, foi considerado vencedor da licitação no dia 22 de maio com uma proposta de R$ 1,477 bilhão - aproximadamente R$ 300 milhões a mais do que o montante previsto pelo Governo do Estado para a implantação do modal. Na ocasião, o Consórcio Mendes Junior/Soares da Costa/Alstom foi declarado o segundo colocado na concorrência e, portanto, seria o possível beneficiado com uma hipotética desclassificação do Consórcio VLT Cuiabá.

Em sua proposta, no entanto, o consórcio que ora contesta o vencedor da licitação apresentou um orçamento de R$ 1,54 bilhão para construir os 22 quilômetros do VLT.

De acordo com comunicado enviado à imprensa pelo Consórcio Mendes Junior/Soares da Costa/Alstom , “uma série de erros na planilha de preço do Consórcio VLT Cuiabá” reduziriam o valor da proposta comercial no valor citado anteriormente.

Dessa forma, caso o valor fosse alterado, conforme aponta a apelação, a obra custaria menos do que previsto pelo Governo: R$ 1,2 bilhão.

O Consórcio que apela da decisão da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo também cita outras supostas irregularidades na Carta Proposta apresentada pelo VLT Cuiabá, como “inconsistências no cronograma de obras e problemas na habilitação técnica e atestações”.

ANÁLISE

Procurada pela reportagem, a Secopa informou que o recurso em questão será analisado em até cinco dias úteis por uma comissão formada por agentes técnicos da secretaria, entre eles advogados, engenheiros e arquitetos.

Ainda segundo a assessoria da Pasta, após o termino da análise a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo deverá divulgar tanto o conteúdo da apelação impetrada, quanto um relatório, no site oficial do órgão, rebatendo todas as acusações do Consórcio Mendes Junior/Soares da Costa/Alstom. Atrasos a vista

Ações burocráticas acerca da licitação para a obra do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) de Cuiabá, como a apelação impetrada pelo Consórcio Mendes Junior- Soares da Costa-Alstom, se arrastadas para vias judiciais, podem comprometer seriamente as obras para a implantação do modal.

As obras do VLT em Cuiabá já tiveram o edital da licitação prorrogado por duas vezes e suspenso em outra ocasião - e vários líderes políticos envolvidos com o projeto já falaram abertamente sobre a possibilidade de o Veículo Leve Sobre Trilhos não ficar pronto até a Copa do Mundo de 2014.

Dessa forma, a obra do VLT passa a ser uma forte candidata a se encaixar no grupo daquelas que o ministro Valmir Campelo, do Tribunal de Contas da União aconselhou, em abril deste ano, na Câmara dos Deputados, que fossem suspensas desde já. Na ocasião, o ministro declarou que todos os projetos vinculados à Matriz de Responsabilidade da Copa e beneficiadas pelo Regime Diferenciado de Contratação, se incompletos até a realização do evento, devem ficar sem recursos para ser concluídos.

Na época, um relatório apontava que apenas 5% dos R$ 10,93 bilhões destinados à mobilidade urbana haviam sido executados.

O Documento – 05/06/2012

Comentário do sindicato:

Fala sério!!!!! Sempre em Cuiabá, sempre.

Nenhum comentário: