terça-feira, 19 de junho de 2012

BH pode ter 500 km de ferrovias revitalizados


A Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) pode ter os quase 500 quilômetros de ferrovias revitalizados. Esta é uma medida possível, pois, na semana passada, o Governo de Minas Gerais, por meio da SEGEM (Secretaria de Estado Extraordinária de Gestão Metropolitana), da SEDE (Secretaria de Desenvolvimento Econômico), ARMBH (Agência de Desenvolvimento da RMBH) e Unidade PPP (Unidade de Parcerias Público-Privadas), iniciou um Procedimento de Manifestação de Interesse do projeto de implantação ferroviária com foco no transporte de passageiros.

O PMI, lançado pelo Estado, convida aos interessados no projeto a participarem e elaborarem estudos técnicos, que contribuam na construção do melhor modelo de concessão para a realização do serviço.

Para reativação da malha, que engloba 21 dos 34 municípios da região metropolitana da capital mineira, nas quais estão inseridos importantes polos regionais como Divinópolis, Sete Lagoas e Conselheiro Lafaiete, o Governo analisa quais as melhores maneiras de executá-la, sendo que o projeto poderá ser realizado por um ou mais parceiros privados que irão operar linhas metropolitanas e/ou regionais em três grandes ramais ferroviários, divididos em lotes no Edital da PMI.

Na divisão dos trechos, o Lote 1 contempla uma linha entre Sete Lagoas e Divinópolis, passando por Belo Horizonte; já o Lote 2, fica entre Belo Horizonte e Brumadinho; e o Lote 3, entre a capital e Conselheiro Lafaiete, com uma variante que se estende a Ouro Preto.

Esta iniciativa vai ao encontro do PDDI (Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado) da Região Metropolitana, que prevê a implantação de transporte sobre trilhos como umas das bases da mobilidade no local, assim, desafogando o tráfego da região, com a retirada de veículos sobre rodas das ruas. Além disso, o governo prospecta, com esta medida, fomentar o desenvolvimento em outras regiões do entorno de Belo Horizonte.

Webtranspo – 18/06/2012

Comentário do sindicato:

Enquanto isso, o governo de São Paulo zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz. A CPTM zzzzzzzzzzzzzzzzzzz. Ronc, ronc, zzzzzzzzzzzzzzzzzzz Mas afinal, São Paulo não é a “locomotiva” do país? 

5 comentários:

Pregopontocom@tudo disse...

Huuummmmmm.....ta chorando de barriga mais ou menos meio cheia...e eu???!!!! o que é que eu digo por aqui????? Salvador hibernou profundamente na caverna do buzu..........

SINFERP disse...

Ora, faça como nós: instigue a competição, ainda que com base na inveja. kkkkkk

Paulo Roberto Filomeno disse...

Bem, pelo menos isso iria abrir um precedente. As ferrovias que estão próximas a BH são tão privatizadas quanto aquelas que existem em SP. Se a figura jurídica que está sendo debatida e proposta é válida lá, também tem que ser válida aqui. Mas estou lendo essa notícia pensando no aproveitamento de trechos existentes. Se se pretende construir novas linhas para passageiros, eu não ponho um tostão numa aposta.

Danilo da Costa Leite disse...

isso é bão.

SINFERP disse...

Vamos esperar para ver, Paulo. Quem sabe... Essa notícia cria um fato novo no cenário, e vale a pena acompanhar...
Sim, Danilo: é bão, mas "preles". kkk