domingo, 10 de abril de 2011

Monotrilho de Manaus, desta vez com problema de preço

Monotrilho do Japão

A construção do monotrilho em Manaus pode custar aos cofres públicos mais do que o valor de referência estipulado pela licitação, de R$ 1,327 bilhão. Foi o que afirmou o secretário estadual de Planejamento, Marcelo Lima.
No final da tarde da última quinta-feira, limite do prazo, o Consórcio Monotrilho Manaus apresentou nova proposta de preço para o empreendimento. A anterior, de R$ 1,687 bilhão, foi rejeitada pela Comissão Geral de Licitação (CGL) no dia 18 de março por ser superior ao valor de referência.
Segundo o secretário da Seplan, a CGL encaminhou pedido de parecer à Procuradoria Geral do Estado (PGE) para saber quais são os dispositivos legais que permitem ao Estado aceitar proposta de preço superior ao valor de referência estabelecido pela licitação.
“A licitação não apresenta um valor mínimo ou um teto. Ela estabelece apenas um valor de referência, que é de R$ 1,3 bilhão. O que a CGL quer são embasamentos legais para aceitar propostas acima dessa referência, se for o caso”, explicou Lima.
De acordo com ele, a medida foi tomada há alguns dias pela CGL como forma de evitar mais atrasos no início da obra - que, inicialmente, estava prevista para o primeiro trimestre de 2010 - e comprometer a realização da Copa do Mundo 2014 em Manaus.
“O processo (licitatório) está sendo atacado por todos os lados. É uma precaução para evitar mais atrasos. Não podemos ter mais percalços ou não conseguiremos iniciar a obra a tempo de concluir dentro do prazo”, explicou.
Marcelo Lima ainda afirmou que a data limite para início das obras do monotrilho é junho deste ano. Depois dessa data, o prazo de conclusão pode ser comprometido, alertou ele.
“Mas ainda temos a possibilidade de começar as obras antes disso. Nossa estimativa não depende apenas do governo, mas da análise dos órgãos de controle e do financiador, que é a Caixa Econômica Federal. As licenças ambientais já foram todas emitidas”, disse.
O Consórcio Monotrilho Manaus - formado pelas empresas CR Almeida S/A Engenharia de Obras, Mendes Júnior Trading e Engenharia S/A, Serveng Civilsan S/A Empresas Associadas de Engenharia e a Scomi Engineering - é o único a concorrer na licitação.
A nova proposta de preço inclui a elaboração do projeto executivo, construção, fornecimento e implantação de um sistema monotrilho para a Região Metropolitana de Manaus. A CGL deve marcar, para a próxima semana, sessão para abertura do envelope com a nova proposta.

Acrítica.com – Mônica Prestes - 01 de Abril de 2011

Nenhum comentário: