sexta-feira, 8 de abril de 2011

Lobby rodoviarista da Agecopa de Cuiabá (MT) parte para ameaças

Cuiabá - MT
Os empresários do ramo do Veículo Leve sobre Trilho (VLT) teriam sido ameaçados e pressionados para desistir do projeto de viabilidade sobre o modal de transporte, em função do lobby que estaria correndo em prol das empresas de ônibus. A informação é do presidente da Assembleia Legislativa, deputado estado José Riva (PP), que também destacou que a primeira empresa acabou desistindo de concluir os estudos. 
De acordo com o parlamentar, os empresários da Raiz, que chegaram a visitar Cuiabá para buscar dados e realizar o estudo de viabilidade do VLT, foram pressionados pelos diretores da Agência Executora de Projetos da Copa do Mundo (Agecopa).
"A primeira empresa desistiu devido às dificuldades para conseguir informações e sofreram até ameaças físicas para desistirem. Eles se sentiram inseguros e por isso desistiram", afirmou durante entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (5). 
Riva contou ainda que a empresa ficou insegura em dar continuidade ao projeto, ao constar que a Agecopa já havia aberto licitação para uma empresa que realizaria a análise de desapropriações. O edital acabou sendo anulado, mas os empresários consideraram um investimento arriscado e preferiram abrir mão. 
Na manhã desta terça-feira (5), o diretor-presidente da T'trans, Massimo Andrea Giovina-Bianchi, apresentou um estudo comparativo entre VLT, BRT e DMU, que seria o VLT de diesel, ao deputado Riva e ao governador em exercício, Chico Daltro (PP). 
Riva destacou que a Agecopa não tem que interferir neste assunto, pois não tem engenheiros de trânsito, além de ser uma política de governo. Ele voltou a reforçar a existência de um lobby da Agecopa para empresas de ônibus. "A Agecopa não tem que se envolver nisso. Eu posso perceber que existe um lobby", acusou. 
OlharDireto (Cuiabá – MT) - Alline Marques - 05/04/2011
O que não dá para entender é o que está esperando o governador para colocar a Agecopa no devido lugar, isto é, no limbo. 

Nenhum comentário: