quinta-feira, 21 de abril de 2011

Declaração da ANTT reanima disputa por estações do TAV nas cidades intermediárias

O diretor-geral da ANTT (Agência Nacional dos Transportes Terrestres), Bernardo Figueiredo, comentou sobre a probabilidade de paradas do Trem de Alta Velocidade (TAV), o trem-bala, em Resende e Volta Redonda, mas não disse nada sobre a Barra Mansa.

Durante o seminário para debater o primeiro TAV brasileiro ele falava sobre a possibilidade de o empreendimento interligar municípios dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo e reduzir o uso de automóveis e ônibus. O evento aconteceu na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

- O projeto do TAV prevê algumas paradas obrigatórias. Agora, onde a empresa vencedora quiser construir outras estações, pode construir. Provavelmente, teremos uma estação em Resende, em Volta Redonda, em Taubaté, em São José dos Campos, em Aparecida do Norte e em Guarulhos - adiantou.

O prefeito de Barra Mansa, Zé Renato (PMDB), já se pronunciou diversas vezes quanto à vontade de ter uma parada em sua cidade. Segundo sua assessoria, ele estava em uma reunião na capital do estado e não pôde comentar a declaração de Figueiredo. Mesmo assim, o diretor não anulou as chances de nenhuma das cidades do trajeto. Ele explicou que a escolha será feita pela empresa que vencer a licitação e que quanto mais paradas melhor para o faturamento da administradora do trem.

- No Japão, o trem de alta velocidade tem paradas a cada 30 quilômetros. Você não precisa de todos os trens parando em todas as estações. Você pode ter serviço que para em duas estações, um que para em três, um que para em dez. Nos estudos que fizemos, nós temos, no horário de pico, a cada 20 minutos um trem direto e, a cada 20 minutos, um trem regional - detalhou.

À Agência Brasil ele acrescentou que o atendimento regional do TAV faz parte de um plano do governo de incluir as ferrovias no sistema de transporte de pessoas. Além do TAV, linhas de trens de carga em construção também já estão sendo projetadas para serem usadas no transporte público. 

"Nós vamos explorar essa possibilidade", disse.

Diário do Vale – 18/04/2011

Em resumo: quem define o traçado, as estações e até mesmo a tecnologia é o consórcio vencedor da licitação. Trem bala e trens regionais envolvem questão de bitolas. É: continua tudo nebuloso. Como, nesta altura do campeonato, já estamos defendendo um trem regional, só falta saber que, ao fim e ao cabo, será implantado um trem regional, mas com preço de obra de trem bala.

Nenhum comentário: